Viver na Espanha, Viver no Exterior

Y, vacaciones.

navidades_santiagoSi, más una vez, vacaciones. Aquí en España las vacaciones correspondentes, a sua año de trabajo, deven de ser disfrutadas dentro del año, no se puede  trabajar y después al año seguinte sacar su período de descanso. Por eso he tenido que sacar pequeños períodos de vacaciones ahora al final del año.

Tengo que confesar, estaba ansiosa por estos días que ahora estoy disfrutando. Son días que mi hijo también estará a casa y podremos hacer cosas en família, que será lo mejor para repor la energía.

Como siempre, tengo planos para estos días, entre ellos, escribir en el blog todos los días (ya tengo una lista de temas para escribir) y pasear, eso sí no llover como en mis ultimas vacaciones. Espero que mis lectores desfruteis de estes posts y que comenten.

 

Anúncios
Padrão
Minimalismo, Viver na Espanha

Mi retorno al trabajo.

Multitasking Stressed Business Woman in Office Work Place. Vector illustration

Hace dos semanas que volví a trabajar, después de dos semanas de vacaciones. Recuerdo que en mis vacaciones muchas cosas surgieron en mi vida y parecía que todo podría cambiar, resulta que nada cambió y sigo igual que antes. Los días en mi trabajo son muy fuertes e intensos, que apenas tengo tiempo para trabajar y al llegar a casa comer algo, ver un poco de televisión para relajar y me quedo dormida al sofá, marido o hijo son los que me llevan para la cama. Tengo muchas dolores de cabeza, seguro que por la ansiedad y la presión por resultados, a eso junta mi espalda, que tiene protestado un tanto. Tomo medicinas y medicinas, en momentos me pasa el dolor en otros no. Desde de que volví de las vacaciones tengo trabajado los sabados, hoy fue el primero que no fue trabajar. Tengo claro para mi, que trabajar sabados no me valió mucho. Gané algo de puntos que pueden se convertir en dinero, pero, las molestias, el cansacio y la falta de tiempo para mi, se acumulan y pasan factura… me siento triste.

Hoy, tomé tiempo para quedar un rato más a cama, hacer mis cosas despacio y sin presión ni tiempo para nada. Estoy sola a casa, pues mi hijo y marido fueron para un partido, el silencio y el tiempo para mi, me hacian falta. No quiero hablar, solo ver, leer, oír y pensar. Llego a una conclusión, echo de menos sonreir. Sonreir de verdad, porque algo te hice bien, porque algo te motivo a eso, sonreir con el corazón. No sé si me explico. El estrese me está comiendo la cabeza, las preocupaciones me agobian y dejo de sonreir, apenas vivo, como una máquina que tiene que hacer. En mi trabajo pienso sobre las posibilidades de crescimiento. Quiero cambiar de puesto, tener más responsabilidad y mejor sueldo, no me olvido que eso me trará más trabajo, horas y mucha más responsabilidad. Muy probablemente mi nivel de estrese vá empeorar, lo que no será nada bueno para mi salud. Pero me preocupa la posibilidad de una nueva crisis en Europa, que hará que España caiga mucho. Dicen que para España e Italia esta crisis será fatal, y ella se aproxima, llegará en finales de 2019, inicio de 2020. Muchas cosas pueden cambiar hasta ese momento y, no necesariamente, la crisis puede me afectar, pero soy ansiosa y temo por el futuro de mi familia y el mío. Hoy tengo comida, y mañana? Es lo que pienso siempre.

Sé que toda esta preocupación va en contra al minimalismo que tanto me encanta, sé que las ganas de ir de compras, también van en contra el minimalismo. Intento de todo modo me sentir bien, conmigo y con la situación que vivo en el momento, lo sé que nada es eterno, pero aun así me agobio. Hago meditación y oro, mentalizo días más sencillos y todas las conquistas que deseo para mi y mi familia. Mentalizo la entrega de toda esta energía mala, que traigo de mi día de trabajo, a una hoguera y siento la energía del sol y de la luna me rellenando de esperanza y conquistas. Salgo desta meditación tranquila y en este momento llega mis chicos. Mi hijo ganó el partido, por 7×0. Su equipo sigue en segundo lugar, esta garantida para la segunda etapa, cuando jugará contra los grandes del futbol de Galicia. Las buenas noticias ya llegan y abro la sonrisa que echaba de menos, mi cuerpo si aquece con el cariño de mi hijo y de mi marido. Y mi perro, pula y abana el rabo, feliz que nuestra familia se ama y conmemora todo, desde las pequeñas hasta las grandes conquistas.

Padrão
Viver na Espanha

Mi trabajo

Imagino que sepais, trabajo como comercial. Ya en Brasil era comercial, pero allí hacia ventas para grandes cuentas, y tenía total conocimiento del servicio y producto que vendía. Aquí en España intenté vender lo mismo, pero no me fue posible y fué en busca de otra oportunidad al mercado, como comercial, y la conseguí en una empresa del sector de la seguridad. La venta en esta empresa es muy distinta de la que hacía en Brasil, pues, aquí las ventas no son concertadas, son las muy conocidas y temidas, vendas a puerta fría. Si eres brasileño me imagino que sabe como vá esto, no me recuerdo de ter recibido en la puerta de mi piso una persona me ofrecendo algo. Si, si, lo recuerdo, era una niña pequenita e iba a mi piso una mujer vender los Yakults, me encantaba cuando era el día de ella pasar por allí, pues sabía que mi mamá me lo compraría. Despues los Yakults pasaron a ser vendidos en los supermercados y que será que pasó de aquela mujer? Ni idea.

Con la falta de seguridad en Brasil, más aun en Rio de Janeiro, me imagino que no lo sea posible conquistar objetivos con las ventas a puerta fría. Aquí como es muy tranquilo este modelo de venta existe, no les gusta a nadie hacerlo, pues hay que valer para esto!!! Por que? Bueno, imaginate al sol, a lluvía, al frío, sea como sea, tiene que estar a calle, dando la cara, cada dia en un sítio, batendo en todas las puertas para ofertar su servicio o producto. En nuestro caso, tocamos más a los negócios, las PYMES, que ya estan hasta la tapa de tanto comercial que les pasa todos los días. Conseguiste imaginar la cena? Pues bien, nos toca hablar con personas de todos los tipos, las que no quieren y te lo dicen de buen agrado y las que te contestan de mala forma. Hay que estar abierto a todo y saber que nada es personal, recibir los nos y seguir adelante.

Hay días que nos toca trabajar en ciudades un poco mayores o movidas como Santiago de Compostela o Ribeira, por exemplo, en estos tenemos más dificultad para hablar con los responsables pues en general reciben muchas visitas y se tornan más selectivos a hora de hablar con los comerciales que les aparecen a la puerta. Ya cuando nos toca visitar pequeños pueblos, o ciudades que esten mas lejas de los principales centros comerciales de Galícia, que son Coruña, Vigo y Santiago de Compostela, las personas suelen ser un poco más amables, pues no estan tan machacadas por las visitas constantes de los comerciales., así nos reciben mejor, pero a la hora de valorar un sistema de securidad, la cosa es distinta, por ser un sítio pequeño o menos movido, se senten más seguros y no creen necesitar de nuestros servicios. Así, tenemos que nos superar en la argumentación para convencer que es important que tenga un sistema para su proteción.

Mis compañeros de trabajo dicen que es muy distinto vender aqui, en la zona que trabajo, centro de Galícia, que llamamos de comarca de Santiago. Si comparamos solamente resultado, los de Coruña y los de Vigo, tienen muchas más oportunidades, pues son ciudades mayores e con más riesgo, o sea, necesidad de sistemas de seguridad. Ahora, se comparamos los gallegos, con los españoles de otras regiones, todo cambia. A mayores de que Galícia es una región más tranquila, los gallegos son más desconfiados y seguros a hora de gastar dinero, lo que nos torna comerciales más resistentes a los nos, y quiero imaginar que más preparados. Lo que puedo decir es que, hoy, después de 8 meses que empezé aqui en esta empresa, soy otra persona a calle. Hay días que estoy muy quemada y sin ganas, el trabajo es muy duro, pero hay que hacerlo, la presión tambíen es muy dura y no me gusta nada tener mi jefe al cuello me pedindo numeros que no fue capaz de hacerlo. Asi, que sigo aqui, ahora en mi momento de descanso, cuando los negócios cierran y paramos para recuperar fuerzas y planear la tarde para cumplir con los objetivos del día.

Otro día los conto más de mi trabajo. Lo que quiera me comentar de su trabajo, me encantaria saberlo.

Padrão
EU, Viver na Espanha

Portomarin

Hoje estou trabalhando em Portomarin. Foi uma grande surpresa conhecer esta pequena cidade, um Pueblo, como chamam por aqui. Tem uma arquitetura e um astral que me encantou. A principal renda é o turismo, perdi a conta de quantos albergues e bares que encontrei aqui.

20181003_151956.jpg

20181003_151855Parei para comer num dos bares que estava cheio de peregrinos, muitos ingleses, uns poucos chineses e um italiano encantador que me pediu ajuda para falar por telefone. Ele queria reservar uma cama num albergue que está a 10 km daqui de Portomarim e falando Italiano ninguém o compreendia, nem eu. Mas a lingua dos sinais e do olhar amável muda tudo. No final ele se foi feliz, por seu caminho, rumo a cama reservada por 10€, e eu fiquei com o coração agradecido por ter ajudado uma pessoa. Mas como dizia, o restaurante está cheio de peregrinos, a maioria ingleses, pela aparencia tem mais de 60 anos e a maioria são mulheres, lindas, com seus cabelos brancos e loiros, em cortes diversos, mas sempre muito bem arrumados. Mulheres vaidosas com apenas um batom e uma roupa simples, complementada pelas bufandas coloridas.

20181003_152056

20181003_151938

Não faço o caminho de Santiago, mas acabo viviendo o meu caminho de Santiago, viajando diariamente por Galícia a trabalho e conhecendo pessoas. Em alguns lugares faço breves amigos, que marcam meu dia com um sorriso e uma palavra amigável. Vejo a natureza e a arquitetura deste novo País que vivo e me pergunto, sempre, porque não vim antes? Não sei responder, não há resposta para o tempo, há coisas que acontecem em nossa vida no tempo exato da vida, e não conseguimos mudar.

Padrão
EU, Relacionamentos, Sentimentos

Vivemos no tempo das cavernas?

Hoje me tocou trabalhar em Palas de Reis, uma cidade na Provincia de Lugo. Palas é uma das cidades do caminho que leva a Santiago, pelo caminho francês. É uma cidade histórica, o castelo da foto é do ano de 702, foi residencia de um rei visigodo que matou ao duque de Galícia, que havia transformado o ducado visigodo em reino. Uma história de traição dentre tantas nos períodos de guerra e disputas de poder.

A cidade é tão pequena que tem uma rua principal e algumas transversais, paralela a principal, nada…rs. O forte da cidade é o caminho de Santiago,  vi mais albergues que negócios. Gosto desse astral de cidade pequenita, mas fico imaginando o morador daqui, ele deve cansar de viver num lugar que depende principalmente do turismo, os turistas, cada vez menos tem respeito ao lugar e às pessoas locais. a culpa não é do turismo ou turista, acho que este é só um reflexo de como está a humanidade, cada vez mais egoísta e intolerante. Avançamos tanto em tecnologias e conhecimentos que deveríamos mudar o chip das relações e fazer melhor, mas não é o que vejo.

hoje pela manhã no trabalho fui elogiada, pelo meu dia anterior. Deveria estar feliz, acontece que o ser elogiada, causa desconforto em outras pessoas, que sentem incomodo porque atingi resultados que buscam os chefes. Sem buscar muito eu consegui,, pode ser por coincidência astral, ou porque mudei minha forma de me relacionar com a vida e com as pessoas, de verdade não sei, não tenho claro o que me fez conseguir o resultado. O que tenho muito claro na minha cabeça, a reação da equipe, que deixa de falar comigo, tomar o café e sai do escritório com a cara e a energia transformada é a única que não me agrada. Eu não posso fazer nada por eles, lamento, fiz por mim, nosso trabalho é isolado, dependemos pouco de cada colega, e sim, dependemos muito de nossa predeterminação a conquistar. Uma pena isso tudo, o ser humano por mais educado que seja, ainda tem muito o que aprender, o que evoluir. As vezes penso que mudamos pouco comparado com os homens das cavernas.

Padrão
EU, Viver no Exterior

BEDA #17 + Reto de los 100 días #17

De porta em porta

Já te contei do meu trabalho aqui na Espanha?

Toda pessoa que vai mudar de País tem que estar preparada para tudo o que possa aparecer em sua vida. Se, um dos objetivos da mudança é começar uma vida nova e buscar trabalho no novo País, é importante que venha legalizado. Eu recomendo!!! Acreditamos que chegando em outro País a vida rapidamente se organizará e, muitas vezes acreditamos que vamos encontrar as oportunidades dos sonhos fora da nossa casa Brasil. Acreditamos nas histórias dos filmes, só pode ser. Em partes, eu também acreditei, pois vim pra Espanha com documentos, marido e filho espanhóis, e lugar próprio para morar. Pensava que chegaria aqui e qualquer empresa me contrataria, pois tenho experiência no Brasil com grandes empresas, grandes contas e que seria uma vendedora que em 1 mês já estaria trabalhando na melhor gráfica local e ganhando bem. Inocente!!!! A realidade foi outra. Demorei para conseguir um trabalho e o primeiro não foi nada bonito, a situação de trabalho era tão ruim que não coloco esta experiência no meu currículo e não suportei mais do que 15 dias ali.

Percebi melhor a situação, quando perdi uma oportunidade de trabalho que colocava como requisitos mínimos coisas que para mim eram mais que garantidas; comercial bilingue  português/espanhol além de ter conhecimentos técnicos de processos de impressão. Vamos combinar? O Universo conspirava a meu favor, este anuncio tinha sido criado pra mim, eu era a pessoa que eles buscavam e, esta era a vaga que eu buscava. Estava super radiante, passei pela primeira entrevista, com uma pessoa de Madrid, não tive nenhuma dificuldade para falar o espanhol, nem para compreender o que a pessoa falava. Fiquei super confiante acreditando que naquele meu segundo mês de Espanha eu já seria contratada por uma multinacional e seria a pessoa de vendas de todo o norte da Espanha. Nada me assustava, estava confiante. O tombo foi duro, não acreditaram que eu seria capaz, por ser mulher, mãe e estrangeira, deram a vaga para um homem espanhol, que tinha bem menos conhecimento técnico que eu. Não digo que isso passe em 1100% dos casos, mas sim garanto que em muitos casos, preferem primeiro dar a vaga para uma pessoa local, de nascimento e vida. Hoje depois de 2 anos de Espanha, tenho isso claro, pois escutei de diversas pessoas. Já ouvi muitas histórias e conheci muitos estrangeiros por aqui, a maioria conta o mesmo.

Fato é, meu currículum aqui não era valorado e, algumas vezes não foi considerado, pois minha experiência não é local, não é possível pedir referencias ao meu antigo empregador ou a seguridade social (que seria o nosso INSS). Aqui, como não temos uma carteira de trabalho, para comprovar que trabalhamos nas empresas que informamos no currículum, pedimos para a seguridade social um relatório que indica todos os pagamentos da contribuição social e porque empresa foi feito. Como eu não tinha, não conseguia comprovar.

Para começar a me movimentar por aqui e ganhar algum dinheiro, fui trabalhar como extra num hotel 5 estrelas. Ali me consideravam velha, pois só contratavam fixo as mulheres com menos de 30 anos, as outras eram chamadas para momentos específicos de alta, na época do verão. Ali fiquei 4 meses. Sai porque ganhava muito pouco e sobria muito de dores no corpo. O trabalho de camareira, embora parece ser simples, não é. A exigência é alta por qualidade e velocidade. Eu não conseguia. A falta de experiência e a minha coluna toda destruída não me permitiam fazer com agilidade, só cumpria o requisito da qualidade, mas o outro era fundamental. Sabia que ao final do verão não ficaria e sai, fui trabalhar no bar que montamos por indicação. Este foi o pior período de minha vida aqui na Espanha. Trabalhávamos todos os dias de 07:30h até no mínimo 22 horas. Não descansávamos, não passeávamos e ganhávamos muito pouco dinheiro. Não compensava a quantidade de trabalho e estresse para tão pouco dinheiro. Fechamos o bar e comecei a trabalhar na empresa que já estou há 8 meses.

Esta empresa tinha me chamado para uma entrevista na semana que assinamos o contrato do bar, por isso recusei a oferta naquele momento. Agora, depois de fechar o bar, ela me chamava novamente e queria que começasse de imediato. Ali fui. Hoje vendo sistemas de alarme para o pequeno comércio, casas e apartamentos, a maiores de um\ tele assistência. O modelo de venda é feito exatamente como na foto acima. Chamando casa a casa, negócio a negócio, apartamento por apartamento. Para se dar bem nesse tipo de venda as exigências são muito elevadas:

  • resistência a pressão;
  • resistência aos nãos e frustrações;
  • a pessoa não pode ter vergonha e nem se dar desculpas por não fazer as tantas mil portas ao dia, afinal são estas tantas portas é que farão com que um número muito pequeno de pessoas ter escutem por completo e, um número ainda menor, de pessoas que te deixem falar de preço.

Nesse trabalho não há tempo ruim, seu animo, sua determinação, sua capacidade de argumentação e a resistência sempre devem estar no mais alto nível. Você tem que ser capaz de se auto motivar a cada segundo. O que não é fácil, confesso que alguns dias me venho a baixo, principalmente quando lembro o trabalho confortável que fazia. Mesmo com as largas noites que passei em gráfica, minha vida anterior sempre foi muito mais fácil que a de agora. Como sempre, gosto de pensar muito na vida, questionar, analisar. E rapidamente percebi que não tenho outra opção, ou encaro, ou encaro. Esta é a minha única opção de vida, o dinheiro não nasce em  árvores, como dizia minha mãe.

Quando estive no bar, acabei ficando com uma depressão muito forte e precisei tomar remédio. pois é, conversando com meu médico de cabeceira aqui na Espanha, chegamos a conclusão que não deveria ter parado, preciso desta medicina. Por alguma questão meu organismo não está se relacionando bem com tanta mudança, tanta exigência, tanta dificuldade, tudo inerente a uma vida nova, num País novo. E, foi assim que voltei a tomar a pastilha da depressão. Voltei hoje. Sei que os próximos 15 dias serão complicadinhos, a adaptação do corpo a este remédio é difícil. Mas vou superar, sou guerreira e vitoriosa. Já venci muitas e esta vencerei também!!!

Se quiser conte aqui, nos comentários suas experiências profissionais fora do Brasil. Quem quiser pode contar suas histórias de superação da depressão. Vou adorar conhecer algo de cada um de vocês.

Um grande beijo.

 

Padrão
Coach e Meta, Sentimentos, Viver no Exterior

Vida no exterior

 

morar-no-exterior2.png

Muitos acreditam que viver fora do Brasil é um mar de rosas, oh pobre, como este se engana. A vida aqui é tão dura ou até mais do que quando estava na minha terrinha. Lógico, que com as dificuldades que enfrentam o Brasil e o Rio de Janeiro, pode ser que nós estivéssemos numa situação bem desconfortável, não tenho como saber.

A questão é; fizemos a escolha, fechamos toda a nossa vida, da forma que creiamos ser a mais correta para a situação como se apresentava. Fizemos muitos  planos, porém diria que 90% deles foram pelo ralo e a vida por aqui, teve momentos bem duros. Duros pela falta de trabalho, ou pelo trabalho escolhido. Duros pela falta de dinheiro e pela diferença do idioma, que embora muito parecido causa dificuldades e gera preconceito. Ainda passamos outros momentos difíceis pela falta de apoio familiar (os poucos que ficaram no Brasil) e por não termos Amigos (com A maiúsculo) locais para nos apoiar e abraçar, dar um carinho. Tudo isso nos faz mais fortes, mas tiveram momentos que não resisti e chorei, me afundei na cama com a sensação de que não havia mais saída. Porém a verdade é que sempre há.

De 7 malas, hoje, nossas vidas se transformaram num container de informações e experiências novas. Quando estamos imersos na dificuldade e na dor, não percebemos, mas eu tenho a oportunidade de sair do casulo e vir escrever, me distanciando um bocado de tudo isso e repondo forças. Sigue sendo difícil, ver que todas as suas ilusões não se concretizaram e agora, com a idade que tenho, preciso recomeçar. Mas olha que ponto mais fantástico, estou viva e posso recomeçar, sempre!!! Basta estar viva!!!

Para os que não sabem, fechamos o bar. o El Bendito terá vida nova em mãos de outras pessoas, não fomos felizes ali e sim, acredito que um negócio deve ser rentável financeiramente, mas principalmente, emocionalmente, e não foi o que aconteceu. Se seguíssemos com o bar algo de dinheiro ganharíamos, não o que o tornasse rentável para justificar o tanto de trabalho que dava, porém morreríamos ali… E a vida vale mais, muito mais, do que só um negócio.

O Universo é tão poderoso comigo que saí do El Bendito, num dia, com uma gripe muito forte que me deixou de cama por 4 dias e, quando levantei, já estava empregada em uma multinacional. Sigo meu caminho como comercial, vendendo uma empresa séria e num mercado altamente competitivo, com uma venda de ciclo curto, que até hoje fiz muito pouco, o que significa? Que estou viva e tenho mais uma vez a chance de começar e aprender!!! Aqui na Prosegur, estou há 3 semanas, começando meu trajeto que espero que seja duradouro como foi minha relação com as empresas que trabalhei. Sou o posto mais baixo da hierarquia de vendas, não busco ser chefe, mas quero ser uma Super Vendedora, como já fui no Brasil e, para isso, tenho alguns degraus a subir.

Eu posso, eu sou muito mais do que tudo isso, eu consigo!

Padrão