EU

BEDA #14 + Reto de los 100 días #14

como ser maeHoje quero compartir com vocês um assunto que nem todos vão entender, imagino. Vamos falar sobre a maternidade. Portanto, leitor amigo, se você é homem, tenha certo que ser pai é diferente de ser mãe. E segundo, pode ser neurose minha, mas ser mãe não é apenas parir, dar comida e todas estas coisinhas. Essa pra mim é a parte trabalhosa, porém fácil. O complicado, do meu ponto de vista, é que ser mãe envolve sentimentos de frustração por não saber como proteger e garantir 100% o futuro do meu filho.

Ao mesmo tempo que me preocupo tanto com o futuro dele, em outros pontos dou liberdade. Deixo ele sair (de dia) para ir sozinho ao colégio, ao campo de futebol, no mercadinho e em alguns outros lugares que possa ir a pé. Além disso permito que veja filmes polêmicos, como foi o caso de uma série do Netflix, em que uma menina se suicidava e contava o motivo pelo qual tinha chegado a esse ponto. Vimos esta série juntos em família, debatendo as questões que apareciam e algumas vezes inclusive sinalizando com exemplos de nossas vidas, afinal eu e o pai, já fomos jovens e passamos por muitas. Compreendo que algumas pessoas podem dizer que estamos antecipando fases, permitindo que meu filho veja e saiba de coisas duras da vida. Sim, pode ser, mas sempre preferi conhecer e dar a conhecer com o apoio familiar.

Eu não tive esse apoio familiar e aprendi na rua, na vida. Nem tudo foi gracioso, nem tudo aprendi em seu momento, algumas coisas aprendi muito cedo e outras muito tarde e, ao aprender na rua, com pessoas que se diziam amigos… também passei por situações de bulling. Em casa ele aprende, argumenta, escuta opiniões (eu e o pai nem sempre concordamos, muitas vezes temos ideias diferentes) e ele próprio chega a conclusões para a vida, com base em uma relação de confiança e amor.

Outro dia preocupada com o futuro do meu filho, me fechei no quarto e chorei muito. Ele me pegou nesse momento e não me deixou em paz até saber o motivo de tanto choro. Não gosto de mentir, nem de esconder coisas dele e contei:

– Filho, eu cometi um erro grave e por isso perdi uma coisa muito importante para o seu futuro, que te ajudaria e que poderia ser uma base para você.

Ele nesse momento me abraçou e disse:

– Mãe, quantas vezes eu errei? – tentei interromper para explicar que meu erro não era como os erros de uma criança, mas ele não permitiu, disse que era sua vez de falar, e seguiu: – Mãe, eu ja errei muitas vezes e todas as vezes que falhei no futebol ou numa prova o que você sempre me falou é que com os erros aprendemos. Então? Você aprendeu com seu erro?

Chorando respondi com a cabeça que sim e completei. – Filho, meu erro é erro grave e de adulto, pois vai impactar no nosso futuro e numa coisa que eu queria deixar para você, mas não poderei. Eu calculei mal e fiz um investimento errado e perdi um dinheiro que serviria para o seu futuro, para a sua faculdade, para a sua vida.

Nessa hora ele me olhou serio, pensou e falou. – Você tá assim por dinheiro? Mas eu não te pedi dinheiro, eu quero meu pai e minha mãe. Dinheiro eu terei o meu.

E me abraçou e pediu para não chorar e esquecer, que já era passado.

Parei de chorar naquele momento, mas a verdade é que ainda me martirizo pelo que aconteceu e sigo sofrendo pelo futuro dele. Agora, nesse exato momento ele chega de um partido de futebol e me conta as conquistas e perdas e junto com elas as dores físicas. Comemoro com ele, mas no fundo do meu coração já percebo, a angústia que aperta o peito e me corta a respiração e com isso, volto a sofrer pelo futuro dele, sem saber se ele vai conseguir conquistar os seus sonhos….

Anúncios
Padrão