Publicado em BEDA, eu, Reto de los 100 dias, Viver no Exterior

BEDA #17 + Reto de los 100 días #17

De porta em porta

Já te contei do meu trabalho aqui na Espanha?

Toda pessoa que vai mudar de País tem que estar preparada para tudo o que possa aparecer em sua vida. Se, um dos objetivos da mudança é começar uma vida nova e buscar trabalho no novo País, é importante que venha legalizado. Eu recomendo!!! Acreditamos que chegando em outro País a vida rapidamente se organizará e, muitas vezes acreditamos que vamos encontrar as oportunidades dos sonhos fora da nossa casa Brasil. Acreditamos nas histórias dos filmes, só pode ser. Em partes, eu também acreditei, pois vim pra Espanha com documentos, marido e filho espanhóis, e lugar próprio para morar. Pensava que chegaria aqui e qualquer empresa me contrataria, pois tenho experiência no Brasil com grandes empresas, grandes contas e que seria uma vendedora que em 1 mês já estaria trabalhando na melhor gráfica local e ganhando bem. Inocente!!!! A realidade foi outra. Demorei para conseguir um trabalho e o primeiro não foi nada bonito, a situação de trabalho era tão ruim que não coloco esta experiência no meu currículo e não suportei mais do que 15 dias ali.

Percebi melhor a situação, quando perdi uma oportunidade de trabalho que colocava como requisitos mínimos coisas que para mim eram mais que garantidas; comercial bilingue  português/espanhol além de ter conhecimentos técnicos de processos de impressão. Vamos combinar? O Universo conspirava a meu favor, este anuncio tinha sido criado pra mim, eu era a pessoa que eles buscavam e, esta era a vaga que eu buscava. Estava super radiante, passei pela primeira entrevista, com uma pessoa de Madrid, não tive nenhuma dificuldade para falar o espanhol, nem para compreender o que a pessoa falava. Fiquei super confiante acreditando que naquele meu segundo mês de Espanha eu já seria contratada por uma multinacional e seria a pessoa de vendas de todo o norte da Espanha. Nada me assustava, estava confiante. O tombo foi duro, não acreditaram que eu seria capaz, por ser mulher, mãe e estrangeira, deram a vaga para um homem espanhol, que tinha bem menos conhecimento técnico que eu. Não digo que isso passe em 1100% dos casos, mas sim garanto que em muitos casos, preferem primeiro dar a vaga para uma pessoa local, de nascimento e vida. Hoje depois de 2 anos de Espanha, tenho isso claro, pois escutei de diversas pessoas. Já ouvi muitas histórias e conheci muitos estrangeiros por aqui, a maioria conta o mesmo.

Fato é, meu currículum aqui não era valorado e, algumas vezes não foi considerado, pois minha experiência não é local, não é possível pedir referencias ao meu antigo empregador ou a seguridade social (que seria o nosso INSS). Aqui, como não temos uma carteira de trabalho, para comprovar que trabalhamos nas empresas que informamos no currículum, pedimos para a seguridade social um relatório que indica todos os pagamentos da contribuição social e porque empresa foi feito. Como eu não tinha, não conseguia comprovar.

Para começar a me movimentar por aqui e ganhar algum dinheiro, fui trabalhar como extra num hotel 5 estrelas. Ali me consideravam velha, pois só contratavam fixo as mulheres com menos de 30 anos, as outras eram chamadas para momentos específicos de alta, na época do verão. Ali fiquei 4 meses. Sai porque ganhava muito pouco e sobria muito de dores no corpo. O trabalho de camareira, embora parece ser simples, não é. A exigência é alta por qualidade e velocidade. Eu não conseguia. A falta de experiência e a minha coluna toda destruída não me permitiam fazer com agilidade, só cumpria o requisito da qualidade, mas o outro era fundamental. Sabia que ao final do verão não ficaria e sai, fui trabalhar no bar que montamos por indicação. Este foi o pior período de minha vida aqui na Espanha. Trabalhávamos todos os dias de 07:30h até no mínimo 22 horas. Não descansávamos, não passeávamos e ganhávamos muito pouco dinheiro. Não compensava a quantidade de trabalho e estresse para tão pouco dinheiro. Fechamos o bar e comecei a trabalhar na empresa que já estou há 8 meses.

Esta empresa tinha me chamado para uma entrevista na semana que assinamos o contrato do bar, por isso recusei a oferta naquele momento. Agora, depois de fechar o bar, ela me chamava novamente e queria que começasse de imediato. Ali fui. Hoje vendo sistemas de alarme para o pequeno comércio, casas e apartamentos, a maiores de um\ tele assistência. O modelo de venda é feito exatamente como na foto acima. Chamando casa a casa, negócio a negócio, apartamento por apartamento. Para se dar bem nesse tipo de venda as exigências são muito elevadas:

  • resistência a pressão;
  • resistência aos nãos e frustrações;
  • a pessoa não pode ter vergonha e nem se dar desculpas por não fazer as tantas mil portas ao dia, afinal são estas tantas portas é que farão com que um número muito pequeno de pessoas ter escutem por completo e, um número ainda menor, de pessoas que te deixem falar de preço.

Nesse trabalho não há tempo ruim, seu animo, sua determinação, sua capacidade de argumentação e a resistência sempre devem estar no mais alto nível. Você tem que ser capaz de se auto motivar a cada segundo. O que não é fácil, confesso que alguns dias me venho a baixo, principalmente quando lembro o trabalho confortável que fazia. Mesmo com as largas noites que passei em gráfica, minha vida anterior sempre foi muito mais fácil que a de agora. Como sempre, gosto de pensar muito na vida, questionar, analisar. E rapidamente percebi que não tenho outra opção, ou encaro, ou encaro. Esta é a minha única opção de vida, o dinheiro não nasce em  árvores, como dizia minha mãe.

Quando estive no bar, acabei ficando com uma depressão muito forte e precisei tomar remédio. pois é, conversando com meu médico de cabeceira aqui na Espanha, chegamos a conclusão que não deveria ter parado, preciso desta medicina. Por alguma questão meu organismo não está se relacionando bem com tanta mudança, tanta exigência, tanta dificuldade, tudo inerente a uma vida nova, num País novo. E, foi assim que voltei a tomar a pastilha da depressão. Voltei hoje. Sei que os próximos 15 dias serão complicadinhos, a adaptação do corpo a este remédio é difícil. Mas vou superar, sou guerreira e vitoriosa. Já venci muitas e esta vencerei também!!!

Se quiser conte aqui, nos comentários suas experiências profissionais fora do Brasil. Quem quiser pode contar suas histórias de superação da depressão. Vou adorar conhecer algo de cada um de vocês.

Um grande beijo.

 

Anúncios
Publicado em BEDA, Reto de los 100 dias

BEDA #2 + Reto de los 100 días #2

stock-photo-traditional-dutch-rural-scenery-with-windmill-and-blooming-tulips-netherlands-525048628

Buff, hoy tengo que decir, me desperté con muchisimo cansacio  y dolor en las piernas, pero, nada puede me impedir de seguir mi vida, trabajar, conquistar mis ofertas y ventas de hoy. Hoy puede ser que tenga que me dedicar más, pero, sea como sea, al final del día terei vencido la dolor y la pereza, no teré procrastinado. Con o sin ventas, ese será mi mayor logro del día.

Entonces, lo que quiero te decir en este post? No quiero me lamentar de mi dolor, ni poner justificativas para me quedar a casa. Mas sin, recordar a mi misma, y a ti, si necesario for, que no podemos permitir nos abater. Hay días que serán más dificiles que otros. Hay días que no tendremos la alegria o ganas necesárias, pero tendremos que encontrar la fuerza para sacar adelante.

Estoy en busca de ser una persona mejor a cada día, y unas de las cosas que hago por ese objetivo está aqui, sí este blog, donde escrivo mis pensamientos. La mejora no viene facil, ni viene de la noche para el día, hay que batallar. Hay días que molesta más y hay que tener fuerza de voluntad para resistir las tentaciones de estar a cama, leendo, dormindo o mirando la televisión.

Y tu? Qué puedes hacer para que este día sea mejor que el de ayer? Qué puedes hacer para cambiar lo que te molesta? No te propongas objetivos grandes, afinal, para llegar al topo de un edíficio tenemos que subir paso a paso. Proponga una meta, un objetivo pequenino para cada grande objetivo que tengas. Yo, para llegar a mi objetivo de ventas deste mes, tengo que empezar por hablar con los clientes hoy, 1 a 1 voy a conocer, hablar y procurar les encantar con mi presencia para al fin, conquistar mis objetivos de llevar mi servicio a cada uno. Uso mi ejemplo de ventas, de mi trabajo, pues es lo que tengo más a mano para comentar, pero tenga la certeza, lo mismo hago con mis objetivos personales. Otro ejemplo, tengo ganas de conocer a Holanda, para eso que necesito? Vacaciones y dinero, verdad? Los tengo ahora? No. Luego, tengo que trabajar para ahorar dinero para mi viaje y para tener mi periodo de vacaciones. Con las facilidades que el mundo de hoy nos pone, muchas veces, queremos que las cosas sean más faciles, sensillas, pero, no lo son. Y tenemos que conquistarlas y trabajar por ellas minuto a minuto.

Venga, me gustaria que me comentase lo que piensa desto. Que haces por tus objetivos personales? Estás haciendo todo lo que puede o en momentos te quedas ahí parado y sin foco?

Publicado em eu, VEDA

Novo BEDA e reto dos 100 dias

Vai-ter-BEDA-augustChegando Agosto e para espantar os males que dizem vir com Agosto, resolvi ocupar meus dias com dois retos. O primeiro é postar todos os dias um texto aqui no BLOG, Blog Every Day in August. Esse em si já um reto duro, pois com meu horário de trabalho vou passar umas boas, pra conseguir, mas o farei.

O segundo reto que me coloco dura um pouco mais de tempo, serão 100 dias para fazer por um objetivo. Não sei se vocês já ouviram falar deste reto. Muitas pessoas entram para emagrecer ou melhor seu aspecto físico e, por 100 dias fazem vídeos, fotos ou o que seja para mostrar o trajeto rumo ao objetivo traçado. Eu farei, não pela aparência física, mas sim por mim, pelo meu EU. Influenciada pelo livro que estou lendo e, que fiz uma resenha num post anterior, farei o reto buscando uma vida mais feliz. A cada dia farei algo para me sentir melhor comigo mesma, acreditando e superando as dificuldades diárias. Como no livro, vou em busca da minha felicidade.

100 dias felicesNo primeiro mês, farei um post único, para falar do reto dos 100 dias e ao mesmo tempo, o BEDA. Quando tiver um pouco de tempo, farei dois posts separados, mas tudo sem culpa. Vou buscar o tempo todo disfrutar de cada post e cada situação que me aconteça nestes 3 meses e dois retos em que me coloquei. Espero que vocês também desfrutem, lendo os textos.

Espero a todos por aqui, curtindo e comentando. Quem quiser se unir, fique a vontade para comentar sua experiência.tank you 2

 

 

Publicado em eu, Sentimentos, Viver no Exterior

Mariposas en el estomago

mariposas en el estomagoHay un termo en español que me encanta, este más que otros, porque el castellano tiene unas palabras y frases muy simpáticas.

“Mariposa en el estomago”, tener la sensación de que el estomago está lleno de mariposas. És lo mismo que decir que tiene mucha ansiedad, pero ansiedad por cosas buenas, que te emocionen, mismo que tenga miedo, pero te apasiona.

Que ganas tengo de sentir mariposas en mi estomago, atualmente sinto presión y dolor en mi estomago, más por la tensión de los días y de los problemas.

Cuando nos enamoramos sentimos, cuando estamos por concretar un sueño también. Creo que este año pueda sentir mariposas en mi estomago, por lo mínimo 2 veces, cuando mis conquistas y sueños se concretaren.

Publicado em eu, Sentimentos

Se Deus estivesse ao meu lado

pastor-ovelhas

Se Deus estivesse aqui ao meu lado eu pediria para não cometer mais erros, eu tenho um medo absurdo de na minha velhice não ter onde morar, nem o que comer. Pediria para cuidar de minha família, em especial da minha mãe que não sei como lidar com suas questões e do meu filho, que ainda é pequeno e temo pelo seu futuro.

Sim, pediria por mim, que me dê a fé e a certeza de que nunca ficarei com fome e que sempre terei uma cama para dormir, abrigada do frio, da chuva e dos perigos da rua. Mas não sei se pediria muito mais que isso, embora tenha sempre sonhado em ter muito dinheiro. Quando era mais jovem, pedia para ganhar na loteria. Sonhava em comprar uma casa grande, decorá-la com muitos poucos móveis, mas todos de muita qualidade e ver espaços livres e brancos, para que eu pudesse me sentir livre. Nesse sonho sempre via a conta bancária com muito dinheiro, muito mais do que eu poderia necessitar em minha vida. Olhava para o lado via uns poucos amigos, todos com seus problemas financeiros resolvidos. Minha amiga Glória com um lugar seu para morar, sem ter que enfrentar as discussões do dia-a-dia. Minha mãe com dinheiro na conta, para não sentir o medo e a angustia que lhe tocam a alma. Ele com dinheiro para resolver os problemas familiares e para pagar o seu apartamento, não tendo que ficar no desespero da Caixa sem pagar. A ONG que gosto, que faz as operações nas crianças? Sim, esta teria dinheiro garantido por muitos anos, para poder ajudar muitas outras crianças, faria doações mensais e anônimas, não quero publicidade com meu nome. O mesmo faria com a Instituição onde conheci ao L.F., eles precisam de ajuda, são muitas bocas para alimentar e uma casa muito grande para manter, seguro que faria doações mensais e anônimas. Não quero ser política, só quero um mundo melhor.

Pra mim? Não preciso de muito, garantia de comida pelo resto de minha vida, casa ampla, simples e confortável, com muita luz. Preciso de um quarto amplo para caminhar ao redor da cama, um armário com poucas roupas e luz, muita luz. Tudo branco. Um escritório, colorido pelas capas dos livros, com uma mesa, um computador com a impressora e uma confortável poltrona para que possa ler. Teria uma rotina em que dedicaria parte do meu dia ou noite a leitura e escrita. Não sei se viveria desta arte, mas viveria por esta arte. Uma boa música, um bom filme, um bom vinho para reflexionar e escrever. Provavelmente me isolaria um pouco do mundo, pois o vejo feio, triste, egoísta. Buscaria a beleza na natureza. Todos os dias tomaria meu café na varanda, vendo as árvores. Com meu cão, fiel amigo sentado aos meus pés. Acho que teria outros 3 ou 4 cachorros, de raças distintas, todos soltos pelo jardim, vivendo a vida em paz e alegria, sendo mimados como, hoje é o meu Rufus. Rufus não perderia seu posto de queridinho da casa, duvido que no mundo haja um cão mais amado e mimado que este. E sim, ele ganharia um grande presente, uma casa ampla, com um jardim enorme para ele correr e reinar, como o cão mais velho e querido. Imagino Rufus nessa casa, contente, correndo, olfateando, e pulando feliz como já o vi em uma casa em Portugal. Aquela casa me bastaria, 3 quartos, uma ampla sala conjugada com a cozinha e um quintal/jardim, muito maior que toda a casa. Viver a vida com a simplicidade que hoje não posso ter, porque tenho que correr e matar 3 leões por dia.

Se Deus estivesse aqui, pediria para acabar com o dinheiro no mundo, assim meus medos iriam embora e eu ficaria em paz. O que eu quero é pouco, não é luxo, não é uma Ferrari nem a roupa de moda. Eu quero uma casa no campo com o jardim maior que a casa, para deitar no chão e ver o dia passar e o Rufus correr.

Se Deus estivesse aqui, pediria para resolver o problema que tenho hoje, aquele problema… Os outros, não são nada. E Deus toca no meu ombro e diz, mas Eu estou aqui, por que você não me pede? E eu, envergonhada, olho para o chão e no fio de voz que me sai da boca peço, me ajuda, resolve este problema e coloco os papéis em Suas mãos. Ele olha e sorri para mim.

pegadas-na-areia-i2