Viver na Espanha, Viver no Exterior

Relato de fin de vacaciones

paz3

Hola queridos lectores. Lo sé que a principio de mis vacaciones he prometido hacer fotos y publicaciones diarias, pero… la vida se me puse pata arriba. De momento no puedo comentar las cosas que me han pasado, la verdad es que aun no me han pasado, estoy junto al ojo del huracán. Lo bueno es que no es un huracán malo, tiene matices de malo pero en realidad creo que es muy bueno, no lo sé, solo estoy especulando.

Para los que me conocen de mucho tiempo deben pensar que estoy pillada, más que ansiosa. Confeso que si, pero solo un poco. Comparado con lo que soy, estoy muy tranquila. En estas vacaciones me programé para cumplir con diversas tareas, las que listé en este otro post, no he conseguido hacer todas, justo por el huracán que llegó (jeje), pero tuve tiempo para leer y refletir, lo que fue muy importante para mi equilíbrio. Pude detectar puntos donde estaba fallando y otros donde he crecido muchísimo. Y, lo más importante de todo, definí un camino a percorrer, de una forma que no me haga daños, como venía me haciendo, así me siento más dueña de mi vida y con mi coche bajo mi control.

Y que tiene eso a ver con vivir no exterior, o en España? Sencillo, cuando llegué quería conquistar las personas, hacer amigos. Quería pronto tener una vida similar a que tenía em Brasil, pero a mi no fue posible. Y, la verdad, es que creo que no sea tan fácil para conquistar su espacio en otro País. Hay que comprender la cultura y valorar muchas cosas a la vez. Al intentar conquistar las personas y me espacio, al mismo tiempo que estaba aprendendo novos procesos de trabajo y una cultura distinta, metí la pata y me olvidé que en primero lugar, siempre estoy yo.

Lunes vuelvo a trabajar, como dijo mi jefe, vuelvo a la guerra, pero ahora, tengo herramientas distintas para esta pelea y la voy a ganar, si o si, esta guerra es mía.

ganar la guerra sin pelear

Anúncios
Padrão
EU, Minimalismo, Viver na Espanha, Viver no Exterior

El tiempo en las vacaciones

Estoy de vacaciones, como he comentado en mi ultimo post. Tengo como objetivo escribir todos los días, pero cogí un resfriado que me jugó a cama. Siento tanto dolor al cuerpo que no consigo quedar aquí sentada para escribir. Tengo mucho frío, dolor al cuerpo y garganta y por eso me quedo a cama. Mismo así, he conseguido hacer unas cosas importantes. Ya tengo la habitación de mi hijo arreglada. Deseché mucha ropa que dejamos al contenedor de Caritas, así una otra persona dará mejor uso. También hice una gran limpieza en mi piso, con 2 hombres y un perro, estaba mal, ahora me gusta lo que veo.

Hice unas cuantas listas de tareas y necesidades, así me organizo para no perder tiempo en mis vacaciones. Si tenemos mucho tiempo libre es fácil que nos liemos y no hagamos nada de lo deseado. No quiero al final de mis vacaciones sentir que no hice nada, que perdí tiempo. Tiempo es un bien muy raro, en general no lo tenemos, ahora con las vacaciones tengo que controlarlo para no dejar que se me escape y me culpe por eso.

Me gustaría saber como mis lectores controlan su tiempo, mientras trabajáis y después en las vacaciones. Como hacéis?

Padrão
Cartas, Viver na Espanha, Viver no Exterior

Carta a Flávia 1

Hola Cumadre,

aquarela_caminho_santiago_camilaum

Como te echo de menos. Que saudades! Si, es lo que ves, te escribo en castellano y tendrás que comprender todo, jajaja. Puedes me contestar en portugués, no pasa nada. Pero mis respuestas serán en castellano, tengo que esforzarme a cada momento para escribir mejor.

Amiga mía, como me haces falta, llevo 2 años en España y no tengo amigos hasta ahora. La vida fuera de nuestro País es muy dura, hay muchas cosas buenas, pero hay que tener mucha fuerza para superar situaciones que nos imponen el cambio de País. Mismo con toda la documentación, aquí soy una eterna brasileña, una extranjera.

Como está la vida por ahí? Los niños? Edu? Tu madre? Besos a todos!!!

Aquí ya estamos con frío y lluvia, ni empezó el invierno pero ya hace mucho frío, dicen que tendremos el peor invierno de los últimos 100 años.

Enrique sigue sin trabajo y yo estoy trabajando como comercial en una multinacional. Mi trabajo es duro, la venta que hacemos en esta empresa es de puerta en puerta. Por la mañana tengo que visitar comercios a pie de calle y por la tarde voy de vivienda en vivienda. Recibimos muchos nos por la cara, pero con esfuerzo y argumentación saco las ofertas y ventas necesarias. Tengo mucho que aprender aun, hay mucho espacio para crecer en esta empresa y espero no tardar mucho en esto. Hoy mi sueldo es muy bajo y como Enrique no trabaja lo que gano tengo que hacer milagros para llegar al fin de mes. Una situación que ha mucho no vivía en Brasil. Tu lo sabes bien, en Brasil ganaba bien, pero como tenía muchos gastos y el coste de vida es muy caro, no tenía para lujos pero teníamos una vida confortable.

Tu ahijado está gigante, mayor que Enrique y empieza la dura fase de la adolescencia. No quiere estudiar y hay que tener mucha paciencia con él al mismo tiempo que darle duro para que estudie y no perca las oportunidades de la vida. Tengo la percepción que ser madre hoy es mucho más difícil, tampoco es fácil ser un joven. Hablamos que los niños tienen que ser niños, pero las dificultades para el mercado laboral hace con que los niños y jóvenes que tengan ilusión por algo en la vida luchen desde muy temprano. Luiz Felipe sigue con la ilusión con el futbol, este año cambió de equipo, fue para una que disputa la liga gallega, lo que hace que entrene 3 días y tenga partidos muy disputados sábados y domingos. Ni siempre quiere entrenar, le explico que si no entrena puede perder la oportunidad de estar en una equipo buena, tiene que dedicarse y trabajar mucho, pero él no tiene la madurez necesaria para comprender y aceptar. En mi trabajo tenemos muchos objetivos y controles, trabajamos con metodología de ventas para control y crecimiento de cada uno, intento enseñar a Luiz Felipe y hacerle seguir un camino más ordenado, para su propio bien, pero le falta la madurez. Puedo estar engañada, pero tengo la percepción que aquí los niños son trabajados desde muy temprano a dar resultados. Ahora Luiz Felipe está al instituto, que seria la 7a de Brasil, y desde el colegio ya tenia ingles en nivel más alto que el dado en los colegios de Brasil. A mayores ya les enseñaban a hacer plan mental (mapa mental), para mejor comprensión de las asignaturas. Yo nunca he aprendido a hacer uno. Ahora al instituto, a mayores del castellano que él ya domina pero tiene mucho que aprender aun, tiene clases de gallego, inglés y francés. Todos los días su clase empieza a las 8:45h y finaliza a las 14:30h. Martes tiene clase por las tardes de 16:30 hasta las 18h. Que te parece eso? Yo lo veo bien, la cuestión es la falta de madurez, para mi lo que falta a Luiz Felipe es eso. Una lastima que no hay pastillas de madurez para comprar a farmacia y no sé que hacer para que él conquiste la comprensión y la madurez que necesita. Y tus niños, Bia y João?

Has percebido que cuando hablo de tu ahijado siempre digo que le falta madurez? Pues si, creo que será una gran persona, cuando conquiste la madurez que necesita.

Bueno, esta fue una carta para decir lo cuanto te echo de menos y darte un poco de informaciones de aquí. Hace mucho que no hablamos, con la diferencia de horas dificulta en mucho, ya por aquí tu puedes me contestar sin disculpas. Ya sé que te lías con el trabajo y la vida, no me venga con justificativas tontas, jajaja.  Si, estoy metendo presión tal como recibo al trabajo… jajaja.

Te dejo, mañana tengo que trabajar y ya son 00:25h por aquí.

Muchos besos a todos y uno especial para ti con un gran abrazo.

 

p.s.: imagen usada sacada del enlace: https://camilaum.wordpress.com/2009/10/02/um-caminho/

 

Padrão
EU, Viver no Exterior

BEDA #17 + Reto de los 100 días #17

De porta em porta

Já te contei do meu trabalho aqui na Espanha?

Toda pessoa que vai mudar de País tem que estar preparada para tudo o que possa aparecer em sua vida. Se, um dos objetivos da mudança é começar uma vida nova e buscar trabalho no novo País, é importante que venha legalizado. Eu recomendo!!! Acreditamos que chegando em outro País a vida rapidamente se organizará e, muitas vezes acreditamos que vamos encontrar as oportunidades dos sonhos fora da nossa casa Brasil. Acreditamos nas histórias dos filmes, só pode ser. Em partes, eu também acreditei, pois vim pra Espanha com documentos, marido e filho espanhóis, e lugar próprio para morar. Pensava que chegaria aqui e qualquer empresa me contrataria, pois tenho experiência no Brasil com grandes empresas, grandes contas e que seria uma vendedora que em 1 mês já estaria trabalhando na melhor gráfica local e ganhando bem. Inocente!!!! A realidade foi outra. Demorei para conseguir um trabalho e o primeiro não foi nada bonito, a situação de trabalho era tão ruim que não coloco esta experiência no meu currículo e não suportei mais do que 15 dias ali.

Percebi melhor a situação, quando perdi uma oportunidade de trabalho que colocava como requisitos mínimos coisas que para mim eram mais que garantidas; comercial bilingue  português/espanhol além de ter conhecimentos técnicos de processos de impressão. Vamos combinar? O Universo conspirava a meu favor, este anuncio tinha sido criado pra mim, eu era a pessoa que eles buscavam e, esta era a vaga que eu buscava. Estava super radiante, passei pela primeira entrevista, com uma pessoa de Madrid, não tive nenhuma dificuldade para falar o espanhol, nem para compreender o que a pessoa falava. Fiquei super confiante acreditando que naquele meu segundo mês de Espanha eu já seria contratada por uma multinacional e seria a pessoa de vendas de todo o norte da Espanha. Nada me assustava, estava confiante. O tombo foi duro, não acreditaram que eu seria capaz, por ser mulher, mãe e estrangeira, deram a vaga para um homem espanhol, que tinha bem menos conhecimento técnico que eu. Não digo que isso passe em 1100% dos casos, mas sim garanto que em muitos casos, preferem primeiro dar a vaga para uma pessoa local, de nascimento e vida. Hoje depois de 2 anos de Espanha, tenho isso claro, pois escutei de diversas pessoas. Já ouvi muitas histórias e conheci muitos estrangeiros por aqui, a maioria conta o mesmo.

Fato é, meu currículum aqui não era valorado e, algumas vezes não foi considerado, pois minha experiência não é local, não é possível pedir referencias ao meu antigo empregador ou a seguridade social (que seria o nosso INSS). Aqui, como não temos uma carteira de trabalho, para comprovar que trabalhamos nas empresas que informamos no currículum, pedimos para a seguridade social um relatório que indica todos os pagamentos da contribuição social e porque empresa foi feito. Como eu não tinha, não conseguia comprovar.

Para começar a me movimentar por aqui e ganhar algum dinheiro, fui trabalhar como extra num hotel 5 estrelas. Ali me consideravam velha, pois só contratavam fixo as mulheres com menos de 30 anos, as outras eram chamadas para momentos específicos de alta, na época do verão. Ali fiquei 4 meses. Sai porque ganhava muito pouco e sobria muito de dores no corpo. O trabalho de camareira, embora parece ser simples, não é. A exigência é alta por qualidade e velocidade. Eu não conseguia. A falta de experiência e a minha coluna toda destruída não me permitiam fazer com agilidade, só cumpria o requisito da qualidade, mas o outro era fundamental. Sabia que ao final do verão não ficaria e sai, fui trabalhar no bar que montamos por indicação. Este foi o pior período de minha vida aqui na Espanha. Trabalhávamos todos os dias de 07:30h até no mínimo 22 horas. Não descansávamos, não passeávamos e ganhávamos muito pouco dinheiro. Não compensava a quantidade de trabalho e estresse para tão pouco dinheiro. Fechamos o bar e comecei a trabalhar na empresa que já estou há 8 meses.

Esta empresa tinha me chamado para uma entrevista na semana que assinamos o contrato do bar, por isso recusei a oferta naquele momento. Agora, depois de fechar o bar, ela me chamava novamente e queria que começasse de imediato. Ali fui. Hoje vendo sistemas de alarme para o pequeno comércio, casas e apartamentos, a maiores de um\ tele assistência. O modelo de venda é feito exatamente como na foto acima. Chamando casa a casa, negócio a negócio, apartamento por apartamento. Para se dar bem nesse tipo de venda as exigências são muito elevadas:

  • resistência a pressão;
  • resistência aos nãos e frustrações;
  • a pessoa não pode ter vergonha e nem se dar desculpas por não fazer as tantas mil portas ao dia, afinal são estas tantas portas é que farão com que um número muito pequeno de pessoas ter escutem por completo e, um número ainda menor, de pessoas que te deixem falar de preço.

Nesse trabalho não há tempo ruim, seu animo, sua determinação, sua capacidade de argumentação e a resistência sempre devem estar no mais alto nível. Você tem que ser capaz de se auto motivar a cada segundo. O que não é fácil, confesso que alguns dias me venho a baixo, principalmente quando lembro o trabalho confortável que fazia. Mesmo com as largas noites que passei em gráfica, minha vida anterior sempre foi muito mais fácil que a de agora. Como sempre, gosto de pensar muito na vida, questionar, analisar. E rapidamente percebi que não tenho outra opção, ou encaro, ou encaro. Esta é a minha única opção de vida, o dinheiro não nasce em  árvores, como dizia minha mãe.

Quando estive no bar, acabei ficando com uma depressão muito forte e precisei tomar remédio. pois é, conversando com meu médico de cabeceira aqui na Espanha, chegamos a conclusão que não deveria ter parado, preciso desta medicina. Por alguma questão meu organismo não está se relacionando bem com tanta mudança, tanta exigência, tanta dificuldade, tudo inerente a uma vida nova, num País novo. E, foi assim que voltei a tomar a pastilha da depressão. Voltei hoje. Sei que os próximos 15 dias serão complicadinhos, a adaptação do corpo a este remédio é difícil. Mas vou superar, sou guerreira e vitoriosa. Já venci muitas e esta vencerei também!!!

Se quiser conte aqui, nos comentários suas experiências profissionais fora do Brasil. Quem quiser pode contar suas histórias de superação da depressão. Vou adorar conhecer algo de cada um de vocês.

Um grande beijo.

 

Padrão
EU, Viver no Exterior

BEDA #15 + Reto de los 100 días #15

Você-tem-medo-da-inveja-dos-outros-830x450

Olha, não quero fazer um post daqueles tristes, que todos fugimos. Hoje com as mídias sociais, só queremos ver coisas bonitas para invejar a vida do vizinho, afinal, a grama do vizinho é sempre mais verdinha, né?

Para a alegria dos invejosos de plantão, tenho uns que me seguem nas redes sociais, que (rindo aqui) vão ficar felizes com o relato que vou fazer agora.

Não, minha grama não tá verdinha. Pode ser que para outra pessoa esteja, mas para mim, para minhas expectativas de vida, não está!!! Em muitos momentos penso muito se fiz besteira em vir pra Espanha, acho que não, pois todos os amigos que ficaram no Rio de Janeiro dizem que ali está absurdo de ruim. Mas a verdade é que aqui a coisa não está nada boa, volto a dizer, para as minhas expectativas.

Quando me mudei, tinha ilusão de uma vida diferente em muitos aspectos. Esperava mais facilidades, afinal já vim com documentação e com lugar para morar, mas que nada, tá sendo difícil pra caramba. É muito difícil fazer amigos, muito difícil conseguir trabalho de qualidade pra mim e mais difícil ainda, conseguir trabalho para o Enrique, que já está há 2 anos parado.

Em alguns pontos, aqui estou muito melhor que no Brasil, um deles demorei uns 6 meses para perceber. No Brasil já estava tão acostumada com a falta de segurança que não vi que estava com um comportamento beirando a neurose, tudo por hábitos que fui adquirindo para me sentir mais protegida. Ali já não usava relógio e nenhuma outra jóia, nem que fosse de pouco valor. Também não falava ao celular na rua, se um cliente me ligasse, eu sentiria pela vibração e entraria em alguma loja para atender, jamais na rua.  Aqui, tudo mudou, posso andar na rua as 3 ou 4 da madrugada, com celular na mão, relógio, anel que nada me acontece. Sei que se estivesse em Madrid ou Barcelona não poderia fazer, mas tampouco faria se estivesse numa Cidade de interior no Brasil. Ou seja, sim, vivo num lugar muito tranquilo. Como disse, demorei 6 meses para perceber, para cair a ficha e, pouco a pouco, desacelerar.

Saúde e educação, são outros dois pontos a considerar, e que são muito melhores quando comparados com os do Brasil.  Do meu ponto de vista a saúde pública daqui é similar a privada do Brasil, e a educação pública, é superior a de muitos colégios privados no Brasil. Eu acredito que nossa analise de bom ou ruim é sempre com base em experiências anteriores. os espanhóis reclamam porque a qualidade tanto da saúde como do ensino já foi melhor do que é hoje, mas para mim, que posso comparar com o que tinha no Brasil, digo que aqui estamos muito melhor.  Os dois serviços são públicos e funcionam de igual a superior que os particulares, o que me dá muita tranquilidade, sei que meu filho sempre estará bem assistido aqui.

Só que a vida não é só isso, e aqui muitos dias me sinto triste, muito triste. Não sou apaixonada pelo meu trabalho daqui e sinto falta da rotina de trabalho flexível que tinha. Sinto falta do trabalho criativo que fazia com muitos dos meus clientes. Sinto falta  do meu escritório em casa, do armário cheio de amostras, do café que tomava quando estava falando com alguma pessoa, do cigarro que fumava na varanda quando parava para ver as árvores do condomínio. Sinto falta do trabalho bem feito e bem remunerado.

sinto falta

Padrão
EU, Viver no Exterior

BEDA #12 + Reto de los 100 días #12

a2e619faa9d2f4a4a8adec45f802859fNo Brasil deixei de fumar, depois voltei, tornei a deixar e assim levava a vida. Um dia de cerveja fumava, depois ficava dias sem um cigarro e sempre tranquila. Quando estava para me mudar para a Espanha, nervosa com tudo o que tinha por fazer, fumava 1 carteira ao dia e me prometi que não fumaria aqui na Espanha. Oh, que bobinha fui.

Ao chegar na Espanha me deparei com um País que fuma muito mais que no Brasil. Bom, na verdade não sei se todo o País, Galícia que é onde vivo e Santiago de Compostela… sim, as pessoas fumam muito, os cigarros são caros e muito mais fortes que no Brasil.. Aqui voltei a fumar, e agora que estou há 10 dias sem cigarro…. sinto a ansiedade e a falta do cigarro como nunca senti nas outras vezes que o deixei. Não sei dizer se isso passa por ser um cigarro mais forte do que eu fumava no Brasil (lá fumava Free e aqui fumo LM, não existe o Free por aqui e não encontrei nenhum similar) ou se é pelo nervoso que vivo com tantas coisas por resolver e probleminhas que tenho na vida.

Seja como seja… estou determinada a vencer este vício.

E você, que vício quer vencer? Te convido a nos juntarmos para passarmos as barreiras iniciais da quebra do vício. Que te parece?

Padrão
EU, Viver no Exterior

BEDA #10 + Reto de los 100 días #10

as pessoas e suas mascaras

Naturalmente tenho o costume de dizer para meus meninos (marido e filho) que desculpas são justificativas para o fracasso. Sim, sei que sou muito exigente, isso piorou um bocado ao trabalhar com vendas, com tantos objetivos e metas tão duras. As empresas não te colocam metas fáceis, o fácil acomoda, o difícil te tira da zona de conforto. A questão é que há pessoas que suportam esta pressão por metas difíceis e outras que não suportam. Bom, meu objetivo aqui não é falar sobre as metas e as dificuldades de conquistar-las, nem falar da pressão e o que isso causa em nossas vidas. Usei toda essa explicação para dar mais entendimento para o que realmente quero comentar neste BEDA 10 e reto 10.

  • No primeiro dia do mês de agosto, no primeiro BEDA, disse que iria postar todos os dias para participar do BEDA de Agosto. Não cumpri.
  • No primeiro dia do mês, disse que por 100 dias seria positiva. Não cumpri, por muitos me senti muito triste e incluso percebi a depressão voltando a minha vida.
  • No primeiro dia do mês, disse que todos os dias faria algo que me deixaria feliz. Qualquer coisa simples, que me deixasse feliz. Não cumpri.
  • De tudo o que propus, só fiz uma coisa, não consumi refrigerantes (refrescos para os espanhóis).

Minha lista de coisas a fazer em agosto, ou por 100 dias, não era grande nem muito difícil. Mas não cumpri, por algum motivo essa lista foi pesada demais para mim, e não darei justificativas. Simplesmente não consegui cumprir, senti as dores e tristezas e não fui forte o suficiente para sair desses sentimentos. O que não farei é me culpar, já carrego muita culpa na minha vida e não quero mais uma, ao contrário, quero tirar todas as culpas das minhas costas.

Agora, sem cobrança, curtindo o momento, escreverei o que me vem a cabeça e ao coração, farei o que puder para que nos próximos dias eu poste. Se puder, ótimo. Se não tiver energia, primeiro cuidarei de mim. Por toda uma vida pensei primeiro nos outros e sempre me cobrei para fazer e fazer e fazer… por isso agora ando tão na linha da crise emocional.

Percebi que aqui na Espanha, mais que no Brasil, tentei fazer amigos, criar vínculos e me violei com isso, deixando de ser ou de acreditar em coisas que são importantes para mim. Acredito na energia que me circunda, que me movimenta. Acredito no Reiki, acredito na meditação, acredito na carta ao universo, acredito em fadas, papai noel, duendes e em todas estas fantasias. Isso é o que me faz assim, como sou. Por escolha, consciente, não me abandonarei mais, não seguirei os passos e crenças de outros. Aqui encontrei pessoas muito distintas, com valores e crenças diferentes e, para me adaptar, me misturar e criar amigos, passei meus limites e menosprezei quem sou. Me perdoo, não me culpo, mas tiro a máscara e assumo quem sou, como sou e vivo minha vida.

Padrão