Publicado em eu, minimalismo, Relacionamentos, Sentimentos

Dores emocionais e formas de lidar com elas.

dor-emocional

Não sei se passa com vocês, comigo há momentos em que minha confusão mental é tão grande, que a desordem da casa me incomoda mais que nunca. A psicologia explica muito bem isso. é a insatisfação com a vida pessoal, acúmulo de stress ou situações que precisamos urgentemente de uma ordem para nos sentir mais controladores dos resultados. Eu particularmente busco resultados positivos, acredito que eles estejam aqui, mas não os sinto na intensidade ou tamanho desejado e por isso me estresso muito. A mudança de País dói, depois de uma situação estável e uma série de conquistas, tenho que recomeçar tudo do zero, num lugar diferente, com idioma distinto e com dificuldades de uma região que está com a economia estagnada.

Galícia é uma região muito bonita da Espanha, mas dura, com pessoas desconfiadas, frias (também pelo clima) e com uma população que envelhece a olhos nus. As oportunidades são poucas e muito disputadas. Aqui tenho que provar a cada minuto minha capacidade por ser estrangeira, por ser mulher, por minha idade e por minha personalidade não tão amigável (ou seja lá como posso explicar). Isso tudo me cansa, me agota emocionalmente. Algumas vezes penso que o mundo não foi feito para pessoas como eu, que sentem demasiado, que se importam demasiado, que desejam demasiado, que acreditam demasiado, que esperam demasiado.

Busco o minimalismo para alcançar a leveza que não consigo ter, a simplicidade na casa, e assim olhar o horizonte doméstico com mais amplitude e menos laços rodeados como um caracol de dúvidas e incertezas. Busco o minimalismo como forma de pensar para na simplicidade sofrer menos, não sei se me faltam crenças para encarar este modelo de vida e entrar de cabeça, ou se todas a dificuldade vem por viver com pessoas desorganizadas e que não são minimalistas. Não, não os culpo por não conseguir, no geral, nunca culpo ao outro, mas sim a mim mesma, minha baixa estima não me permite acreditar que a culpa seja do outro, do meio, da sociedade, da economia… Por isso sofro, melhor dizendo, também por isso sofro.

Queria uma pessoa que me acolhesse, e me ensinasse a viver de forma menos dolorida. Uma pessoa que compreendesse o que sinto e me ajudasse a sair dessa espiral que me leva ao fundo da terra onde me queimo a cada passo que dou rumo ao centro de larvas.

Sei que amanhã ou depois estarei melhor, mas aqui, cada vez mais sinto estas dores emocionais vindo ao meu encontro. Outro dia me disseram que é muito comum, que 85% das pessoas que mudam de País sofrem com depressões e dores emocionais, não gosto de me imaginar dentro deste percentual, tenho que ser mais forte.

Boas atitudes são importantes para este momento, abaixo indico algumas que tento fazer, nem sempre são possíveis, mas quando as faço surtem um efeito muito agradável e acabo me esquecendo dessas dores emocionais.

  • ajudar pessoas que necessitam, fazer atividades voluntárias em ONGs;
  • brincar com o filho e com o cachorro, um tempo passado com eles, brincando e rolando no chão, rindo de bobagens ou simplesmente um abraço, tem um efeito reparador melhor que muitos remédios e que uma noite de sono;
  • meditar, caminhar, ouvir música, dançar, ou seja fazer atividades que envolvam a mente e o corpo, ajudam a mudar o foco e esquecer o que me incomoda, até que fico tranquila, mais relaxada;
  • ler um livro ou ver um filme;
  • escrever no blog, num caderno, numa folha de papel, seja para guardar ou queimar, o importante é escrever, essa é uma técnica que ajuda muito, desafoga as emoções e não satura o ouvido das pessoas. \\mas se você tem um super amigo de mão ou um psicólogo/analista, falar trás efeitos mais benéficos ainda;
  • fazer faxina, limpar a casa, passar roupa, organizar o exterior ajuda a organizar o interior.

O objetivo neste momento é desfocar a mente do looping que entra com o pensamento atordoante, assim a dor passa e você renova forças para seguir a vida.

Espero que estas palavras possam te ajudar de alguma forma, e se quiser compartilhar dores ou experiências, inclusive o que faz para melhorar, me conte nos comentários.

Um abraço a todos e força, todos nós podemos o que quisermos.

Anúncios
Publicado em Coach e Meta, Relacionamentos, Sentimentos

Mi día y sin, hay racismo en España

Hola, que tal?

Si, hoy tengo ganas de gritar para todo mundo oír. Para quien desea cambiar de País, hay que estar preparado para todo, mucho trabajo, muchas dificultades, muchas peleas. Ya lo sé, vas me preguntar se vuelvo para mi País, Brasil.

NOOOOO, no vuelvo, ni muerta.

Soy dura y testaruda. Aquí estoy y aquí voy a conquistar mi espacio.

Venga, ahora llega de escribir, tengo que dormir. Mira el video!

Besos a todos.

Publicado em Filmes, Relacionamentos, VEDA

BEDA#20 – Película “I am not an easy man”

i am not an easy man

Imaginete en un  mundo donde las mujeres son más fuertes emocionalmente que los hombres y dueñas de las relaciones? Un mundo donde las mujeres gobernan y dirigen las companias y los hombres, por su vez, son los amos de casa? Si, los hombres se quedan a casa, limpiando y criando los niños, van de compras, ginásio y paseo mientras la mujer trabaja para tener el dinero y comprar los regalos para los hombres.

Un mundo muy distinto del que vivemos y del que vivía el personaje central de toda la trama. Una película francesa, con el típico hombre masculino y machista, Damian, que coleciona relaciones con diversas mujeres, hasta que un día, bate con su cabeza a un poste y despúes de largos minutos desmayado, desperta en un mundo cambiado. Para las otras personas el mundo feminino es normal, pero, para él que se recuerda de toda su vida en un mundo machista és un espanto. Asei se pasa la história, una comédia extremista con la inversíon de valores que vivimos en el mundo moderno.

Me queda la pregunta: no podremos vivir los cambios con equilíbrio? Una película que extrema las situaciones, pero que nos hace pensar sobre la situacíon de mujeres x hombres. La película no trae respuesta, pero nos hace pensar.

Yo super recomendo! Está en Netflix.

Publicado em Coach e Meta, Relacionamentos, Sentimentos, VEDA

BEDA#18 – Vampiros Emocionais x Atitude Mental Positiva

Você já deve ter sentido que a relação com algumas pessoas não flui muito bem, por mais que você tente, é como se o seu santo não combinasse com o santo da outra pessoa. E, com outras pessoas, a situação ainda pode ser pior. Já aconteceu comigo de estar com uma pessoa e depois me sentir esgotada, sem energia. Algumas coisas podem acontecer; desde uma energia conflitiva com a sua a uma  pessoa, que sem a intensão, acaba chupando sua energia, são os “vampiros energéticos”. Eu diria que muitas dessas pessoas não sabem que são, e muitas se tornam por terem muitos pensamentos negativos. Sim, nossa mente tem poder e as palavras também. Existem experimentos feitos com plantas, água e um outro com arroz, que mostram a influência de palavras negativas. Assim também é com nossas vidas e nossa energia, mais do que pessoas que nos levem para baixo, acho que nós mesmos somos o nosso maior vampiro.

Eu indico que você sempre esteja atento ao que pensa e fala, nossa fala é reflexo de nossas crenças e uma crença negativa nos leva ladeira abaixo. Existe muita literatura que pode te ajudar, eu particularmente gosto de Napoleon Hill, tenho um livro que deixo na minha cabeceira e leio, sempre que possível, algumas páginas para me manter a top.

la actitud mental positiva

Ah, já sei o que você está dizendo ai do outro lado, é um livro de auto-ajuda. Sim, pode ser, mas e daí? Se me ajuda, que mais dá? Eu tenho uma crença, tudo o que me ajuda para o meu crescimento e para ser uma pessoa melhor é positivo, é bom e eu quero.

Napoleon Hill dedicou 25 anos de sua vida para estudar pessoas de sucesso e descobrir o que todas elas tinham em comum. Nessa longa pesquisa ele esteve com pessoas importantes da política Norte-Americana, com grande empresários e descobriu características similares em todas elas, que podemos considerar como pontos que as levaram ao êxito. Na PNL (programação neurolinguística) chamamos esse trabalho de modelagem, observar a pessoas que têm determinadas atitudes que queiramos aprender para replicar a forma de ação, replicar o modelo. Napoleon Hill começou este trabalho em 1908, há mais de 1 século, quando Andrew Carnegie, um grande industrial, filósofo e filantropo,  propôs ao jovem jornalista que lhe entrevistava que se dedicasse a este trabalho e depois levasse para as pessoas a informação para que todos pudessem aprender e aplicar em suas vidas. E foi exatamente isso que Hill fez e colocou nesse livro que é um clássico.

Existem pessoas assim, mas o poder de que elas me afetem é dado por mim. Se você como eu, escolhe que estas pessoas não te afetaram, você já tem a porta aberta para a sua proteção e crescimento. E lembre-se, você precisa se educar e não permitir que você tenha pensamentos negativos, sua atitude é o que faz com que muitas outras portas se abram na sua vida. Abra as portas e janelas, acredite na sua capacidade, busque se conhecer, identificar suas falhas. Aprenda com seus defeitos, corrija-os e se aprimore como pessoa de valores e atitude positiva. Você pode traçar um caminho de sucesso, de paz e prosperidade. Acredite, faça a diferença!!!

Eu acredito que você pode, tal como eu posso!

Te desejo toda a luz e benção do Universo!

 

Publicado em Relacionamentos

BEDA#16 – não julgue

não julgue 2

Quem é você? Você é fruto do meio em que viveu e vive, além das escolhas que fez e faz. Assim é o outro, seu vizinho, seu chefe, seu amigo, seu colega ou a pessoa que te atende em qualquer comércio. Se não combina com você, deixe ir. Não julgue, não critique. Nem todos temos que ser iguais e concordar com tudo.

Hoje percebo que as pessoas estão cada vez mais extremistas, como se houvesse apenas uma verdade, a sua própria. Porém te pergunto; O que é verdade, o que é mentira? Para mim, cada lado tem seu ponto de vista, variável conforme sua experiência de vida, o meio em que vive e seus objetivos e valores. Aprender a conviver com isso é uma dadiva para bem viver os tempos atuais, onde vemos discussões por motivos políticos, ideológicos, religiosos entre outros tantos. Uma divergência não deve ser ganhada no grito, na violência, mas sim na negociação, na argumentação. Muitas vezes uma divergência não é uma disputa, é apenas uma divergência, um ponto de vista diferente do seu.

Considerando um caso em que nosso ponto de vista deva ser debatido até que sejamos vitoriosos, como na política, na justiça, numa defesa de tese ou numa venda (que é a minha rotina diária). Acredito que neste momento, devemos estar atentos a outra pessoa, com uma escuta ativa, com o coração aberto para saber os limites de cada um. Fazer perguntas coerentes que levem a pessoa para o nosso terreno, de modo que possa pensar sobre nosso ponto de vista é um dos caminhos, porém, nada deve ser forçado. Eu digo que uma venda forçada é uma venda perdida. é uma venda sem glamour, sem conquista pessoal.

Eu acredito que temos que aprender a argumentar, a pensar. O modelo de ensino e educação que tive era restrito a argumentação, me fizeram acreditar que quem argumentava era revolucionário e desrespeitoso, o que era ruim. Passei parte da minha vida sem fazer perguntas, sem demonstrar meu ponto de vista, hoje ao contrário me exponho e busco conhecer e conquistar pessoas que me estimulem a isso, por isso trabalho com vendas. Em vendas, nos processos de negociação chamamos esse momento de perde-perde e ganha-ganha, onde os dois lados podem perder algo, para que os dois lados possam ganhar algo. Qualquer relação que seja baseada em perde-ganha, acredito que está destinada ao fracasso, talvez não perca no curto prazo, mas a medio e longo prazo a constância do perde-ganha se transforma numa perda exagerada para um, enquanto o outro tem um ganho desmedido. Equilíbrio é o que devemos buscar.

Equilíbrio é a palavra chave e no equilíbrio não há julgamento e as críticas são suaves e positivas.