EU, Minimalismo, Viver na Espanha, Viver no Exterior

El tiempo en las vacaciones

Estoy de vacaciones, como he comentado en mi ultimo post. Tengo como objetivo escribir todos los días, pero cogí un resfriado que me jugó a cama. Siento tanto dolor al cuerpo que no consigo quedar aquí sentada para escribir. Tengo mucho frío, dolor al cuerpo y garganta y por eso me quedo a cama. Mismo así, he conseguido hacer unas cosas importantes. Ya tengo la habitación de mi hijo arreglada. Deseché mucha ropa que dejamos al contenedor de Caritas, así una otra persona dará mejor uso. También hice una gran limpieza en mi piso, con 2 hombres y un perro, estaba mal, ahora me gusta lo que veo.

Hice unas cuantas listas de tareas y necesidades, así me organizo para no perder tiempo en mis vacaciones. Si tenemos mucho tiempo libre es fácil que nos liemos y no hagamos nada de lo deseado. No quiero al final de mis vacaciones sentir que no hice nada, que perdí tiempo. Tiempo es un bien muy raro, en general no lo tenemos, ahora con las vacaciones tengo que controlarlo para no dejar que se me escape y me culpe por eso.

Me gustaría saber como mis lectores controlan su tiempo, mientras trabajáis y después en las vacaciones. Como hacéis?

Anúncios
Padrão
EU, Viver na Espanha

Y, empiezan mis vacaciones

vacaciones de outono

Si! Mis primeras vacaciones en España, son solo 2 semanas, no podré viajar, pero las tomaré con muchas ganas. Tengo planes para ellas y los quiero compartir con mis lectores. Como no podría ser de otra forma, tengo una lista de tareas y cosas que quiero hacer mientras esté estos días en casa. A saber:

  • Hacer la solicitud de mi ciudadania española.
  • Revisar mis contratos de telefonía (con Movistar) y mis seguros (con Santander), y negociar los pagos, ver donde puedo ahorrar.
  • Cancelar contratos que ya no uso, como alarma de un negocio que tuve en España y la ayuda que aporto mensualmente a Cruz Roja en Brasil.
  • Revisar mi vida en Brasil, lo que me queda por allí y gestionar lo que pueda para tan pronto, me sea posible, cerrar mi vida allí.
  • Finalizar la lectura del libro que tengo en manos y leer otros 4 que tengo en cola.
  • Despejar mi despacho en casa.
  • Desechar lo que se pueda y dar orden a la habitación de mi hijo, esta es la tarea más difícil, él no es nada minimalista ni tampoco organizado.
  • Hacer una limpieza profunda en mi piso.
  • Cuidar y planear la alimentación de mi familia, y la mía, con todos los cambios que quiero implantar.
  • Adelgazar, lo que pueda en 15 días.
  • No fumar ni un pitillo.
  • Caminar todos los días, durante 1 a 2 horas, por parques y pueblos.
  • Sacar fotos de los distintos puntos por los que esté caminando.
  • Definir una metodologia de control de los gastos de mi casa.
  • Hacer una lista de contenido para publicar en el blog.
  • Escribir en el blog todos los días.
  • Ver 4 películas con mi familia.

Me falta alguna cosa? Qué sugerencia tenéis para mi? Qué puedo incluir en mi lista?

 

Padrão
EU, Viver na Espanha

Portomarin

Hoje estou trabalhando em Portomarin. Foi uma grande surpresa conhecer esta pequena cidade, um Pueblo, como chamam por aqui. Tem uma arquitetura e um astral que me encantou. A principal renda é o turismo, perdi a conta de quantos albergues e bares que encontrei aqui.

20181003_151956.jpg

20181003_151855Parei para comer num dos bares que estava cheio de peregrinos, muitos ingleses, uns poucos chineses e um italiano encantador que me pediu ajuda para falar por telefone. Ele queria reservar uma cama num albergue que está a 10 km daqui de Portomarim e falando Italiano ninguém o compreendia, nem eu. Mas a lingua dos sinais e do olhar amável muda tudo. No final ele se foi feliz, por seu caminho, rumo a cama reservada por 10€, e eu fiquei com o coração agradecido por ter ajudado uma pessoa. Mas como dizia, o restaurante está cheio de peregrinos, a maioria ingleses, pela aparencia tem mais de 60 anos e a maioria são mulheres, lindas, com seus cabelos brancos e loiros, em cortes diversos, mas sempre muito bem arrumados. Mulheres vaidosas com apenas um batom e uma roupa simples, complementada pelas bufandas coloridas.

20181003_152056

20181003_151938

Não faço o caminho de Santiago, mas acabo viviendo o meu caminho de Santiago, viajando diariamente por Galícia a trabalho e conhecendo pessoas. Em alguns lugares faço breves amigos, que marcam meu dia com um sorriso e uma palavra amigável. Vejo a natureza e a arquitetura deste novo País que vivo e me pergunto, sempre, porque não vim antes? Não sei responder, não há resposta para o tempo, há coisas que acontecem em nossa vida no tempo exato da vida, e não conseguimos mudar.

Padrão
EU

Busco

busco-monoambiente-para-alquilar-a-dueno-directo_4b2ea72ec_3

Busco uma pessoa, que me compreenda, que me estimule a crescer e aprender. Busco uma pessoa que converse, que tenha a mente simples com a palavra clara e pontual. Busco uma pessoa sem os floreios da modernidade e com a simplicidade de uma vida vivida. Que tenha o equilibrio como dom do viver, que não seja preconceituosa, nem generalista, uma mente aberta com gosto pelos livros e que não acumule objetos, apenas histórias para contar.

Busco uma pessoa que independente da idade, seja jovem na mente e no desejo de sempre conhecer mais. Um amante do fazer junto, do sentar para um chá com leitura na terraza, aproveitando os últimos raios de sol de uma fria tarde do inverno europeu.

Busco uma pessoa, que não sei se a encontrarei. As que tinha, acabo de deixar. Me encontro só, num escuro quarto, numa noite de sábado, no outono europeu.

Padrão
EU, Relacionamentos, Sentimentos

Momento intrusa.

 

Me sinto uma completa intrusa em minha própria casa.

Acostumada a viver em uma família reduzida, não sociável, confesso que não sei me relacionar com pessoas dentro do lugar onde vivo. Posso contar nos dedos das mãos, as vezes que recebi visitas em minha casa, as vezes que recebi família. Desde pequena fui apresentada a uma vida doméstica muito simples, reservada e solitária. Hoje, como resultado, não sei estar quando tenho pessoas na minha casa, principalmente se estas vêem para ficar dias e tomam conta dos espaços com uma naturalidade maior que a minha, como se tudo fosse deles. Neste momento cria em mim uma barreira que não consigo transporne-la e, sem a verdadeira ajuda familiar (dos poucos que vivem comigo), a barreira se torna maior e não consigo nem sair da minha cama.

Não sei como funciona com vocês, eu tenho ritmos e rotinas matinais que gosto de seguir-las para que meu dia tenha um bom ritmo, não é uma rotina rígida, mas sim silenciosa, sentada a minha cadeira, tomando meu café com leite gelado. Não, não é um pedido meu, mas é o que meu marido me serve todos os dias e por isso tomo, sem protestar, para mim é mais sagrado o silêncio e a tranquilidade matinal que a forma como está meu café. Neste momento gosto de estar, por 5 minutos que seja, em paz, com meu cachorro ao meu lado, com a camisa e a calça posta, mas por fechar, sentada calmamente assimilando o novo dia que chega. Receber visita de férias, quando sua vida não está em sintonia com férias, quando sua conta bancária não te permite nem um centimo de gasto a maiores, é um grande transtorno. Me sinto mal por não saber reacionar a tudo isso, estou chateada por me isolar e não me sentir nem compreendida, nem amada. Me sinto decepcionada com tudo o que construí.

Padrão
EU, Relacionamentos, Sentimentos

Vivemos no tempo das cavernas?

Hoje me tocou trabalhar em Palas de Reis, uma cidade na Provincia de Lugo. Palas é uma das cidades do caminho que leva a Santiago, pelo caminho francês. É uma cidade histórica, o castelo da foto é do ano de 702, foi residencia de um rei visigodo que matou ao duque de Galícia, que havia transformado o ducado visigodo em reino. Uma história de traição dentre tantas nos períodos de guerra e disputas de poder.

A cidade é tão pequena que tem uma rua principal e algumas transversais, paralela a principal, nada…rs. O forte da cidade é o caminho de Santiago,  vi mais albergues que negócios. Gosto desse astral de cidade pequenita, mas fico imaginando o morador daqui, ele deve cansar de viver num lugar que depende principalmente do turismo, os turistas, cada vez menos tem respeito ao lugar e às pessoas locais. a culpa não é do turismo ou turista, acho que este é só um reflexo de como está a humanidade, cada vez mais egoísta e intolerante. Avançamos tanto em tecnologias e conhecimentos que deveríamos mudar o chip das relações e fazer melhor, mas não é o que vejo.

hoje pela manhã no trabalho fui elogiada, pelo meu dia anterior. Deveria estar feliz, acontece que o ser elogiada, causa desconforto em outras pessoas, que sentem incomodo porque atingi resultados que buscam os chefes. Sem buscar muito eu consegui,, pode ser por coincidência astral, ou porque mudei minha forma de me relacionar com a vida e com as pessoas, de verdade não sei, não tenho claro o que me fez conseguir o resultado. O que tenho muito claro na minha cabeça, a reação da equipe, que deixa de falar comigo, tomar o café e sai do escritório com a cara e a energia transformada é a única que não me agrada. Eu não posso fazer nada por eles, lamento, fiz por mim, nosso trabalho é isolado, dependemos pouco de cada colega, e sim, dependemos muito de nossa predeterminação a conquistar. Uma pena isso tudo, o ser humano por mais educado que seja, ainda tem muito o que aprender, o que evoluir. As vezes penso que mudamos pouco comparado com os homens das cavernas.

Padrão
EU, Minimalismo, Reto de los 100 dias

Post atrasado – Agosto

agosto-1024x1024-1024x640

Estou muito atrasada, eu sei, já estamos no final de setembro, um mês depois. Tinha deixado este post feito no rascunho e me esqueci dele, essa é a verdade. Então, agora que encontrei, ai vai.

Dizem que o mês de agosto é o mês dos desgostos, por isso decidi fazer dele um mês minimalista, não criei muitas expectativas, embora tinha metas para ele, que não consegui cumprir, pois trabalhei mais que imaginava. Assim, levei o mês com tranquilidade, superando dia a dia o que me aparecia.

No trabalho escutei dos meus companheiros que era um mês horrível com as pessoas de férias e, uff, me cansei de tanta lamentação. Minha paciência não é muito grande, sou ariana. Acredito que melhor que lamentar, devemos olhar para frente e para os lados, para buscar novas alternativas, alguma forma de reverter as situações e, como nem sempre conseguimos mudar o cenário, minha dica é que relaxe e viva, espere passar o que incomoda, afinal nada é eterno. O principal nesse momento é não focar no negativo, se não consegue por um caminho busque outro, pare, respire, espere a nova maré e siga caminho.

Com tudo isso, não quero dizer que meu mês de agosto foi maravilhoso, mas sim garanto que foi um mês de muitas descobertas e conquistas. Nem todas as minhas metas foram alcançadas, porém as que foram, são importantes.

  • Conseguimos definir a equipe de futebol que o filho vai jogar. Foi uma decisão difícil, que me encheu de ansiedade porque não queria escolher nada errado para meu filho. Resulta que com 2 semanas de treinos e alguns partidos amistosos, ele está muito feliz. Isso é o que importa!
  • Consegui dedicar tempo de qualidade para estar com a minha família. Mesmo com o sufoco do meu trabalho, os poucos momentos que passamos juntos, dedicamos para, em equipe, fazer coisas pela casa, por e para nós. Foi divertido e prazeroso.
  • Sobrevivemos a um mês com muito pouco dinheiro (a empresa me descontou um bocado pelos dias de baixa que tive quando caí e me machuquei, e não pude trabalhar). Tivemos alguns momentos tensos, sem saber como fazer, mas fomos criativos e agora o mês de agosto é todo passado.
  • Sigo com duas negociações muito importantes no Brasil, elas caminharam mais em agosto do que em todo o ano. Veremos o resultado em breve, assim espero.
  • Conseguimos manter a casa organizada, ou mais organizada do que nos últimos meses.
  • Consegui controlar minha dores. Passei um período feio, com muitas dores no corpo, e agora controlo, com a ajuda de meditação e uma medicação que em pouco tempo vou eliminar. Quem me conhece bem sabe que não gosto das medicinas. Já me basta a que sou obrigada a tomar por toda a minha vida.
  • O Ho´oponopono voltou a fazer parte da minha vida. Agora tenho mais conhecimento do método e todos os dias dedico tempo para ler e meditar. Notei uma diferença considerável na minha energia. Esta técnica se encaixa muito bem com minhas crenças espirituais, por isso não foi difícil me adaptar.

Assim vou vivendo, a cada dia tenho a oportunidade de começar tudo do zero, fazer melhor do que fiz no dia anterior. Aprender algo novo e conhecer uma pessoa nova. Dia a dia tenho motivos para agradecer a vida.

Padrão