Publicado em Cartas, eu

Carta #6 – Glória

Hola mi Amiga,

Como estás? Esta semana tuvimos el día comemorativo de los Correos, me gustaría te escribir por el método convencional, por papel, que tanto nos encanta, pero, me falta tiempo para sentar a mesa, a casa ,para te escribir y después ir al Correos, por eso te escribo por aquí, lo voy haciendo en momentos puntuales y poco a poco tendré todas las noticias atualizadas para ti. Y, así que la poste al blog tu ya lo recibirás por e-mail. Bueno, me imagino que tenga suscrito en mi blog, así recebes siempre la comunicación de nuevos posts. Caso no tenga hecho, hagalo lo más pronto que pueda… jejeje… un poquito de presión para que vea como ando…jajaja.

Me conte, como vá tu madre. Que increíble, 97 años y muy bien de salud física y mental. Me gustaría llegar a esta edad e con estas condiciones. Pero, nosotras, al modo que vivimos, no lo sé como estaremos. Premero deveríamos ter dejado el cigarro, oh vício! Este es un vício que nos hace muchos daños, mismo que no veamos, aquí dentro de nuestros corpos las cosas no deben de ir muy bien por tantos pitillos. Te comenté que aquí el tabaco es caro (principalmente si hago la conversion monetária) y que es muy fuerte? Aquí no tengo Free ni tampoco Carlton, no hay estas marcas por aquí. cabo fumando LM, que tambien lo tenemos en Brasil, pero mucho más fuerte. Tengo la impresión que el próprio LM es más fuerte que el de Brasil, pues no lo doi largado, estoy adicta al tabaco de una forma que me molesta. Pero tampoco tengo hice mucho para dejarlo, esta es la verdad. Me veo tan nerviosa, ansiosa, que dejar el pitillo me parece una mala idea. Lo sé que sus beneficios son muy dudosos, pero la mente engaña y esta sensación de falsa tranquilidad me ayuda a vivir por aquí.

Como hablamos otro día, que hicimos de nuestras vidas? Hace cuantos años que nos conocemos? Yo creo  que 26 años, más tiempo de lo que llevo con Enrique. Tu me has visto en toda mi vida laboral, todo lo que conquisté y ahora, la percepción que tengo es que jugué a basura todo lo que construí en nuestro País.  Es muy dificil levantarme todos los días para cobrar tan poc, con tanta presión y dificultad por la calle. Hay dos verdades que no me ollvido, he aprendido muchísimo en esta empresa, hoy soy mucho mejor como profesional y vendedora de lo que era em Brasil. Hoy en Brasil, sabendo lo que sé, ganaría muchísimo más  de lo que ganava que no estaba nada mal. La cuestión es, ganar mucho en Brasil significa pagar muchos impuestos y más aun con el coste de vida de nuestro País, gasolina, aparcamiento, seguro de coche y hogar y todo lo demás. Ese fue uno de los motivos que decidimos venir para aquí, un sítio muy bonito y tranquilo. Ando por las calles y durmo tranquila, eso no tiene precio, pero cobrar tan poco al final del mes y la fuerte presion del día a día agobian a cualquier uno. La otra verdad es que no lo sé como estaría ahora en Rio de Janeiro. Con la crisis de Brasil y Rio, a mayores de la inseguridad que se vive,  no lo sé si conseguiría trabajar y hacer mis cuentas cerraren al final del mes. Donde  erré? O, será que errei en venir para España? Aquí me consideran vieja para el mercado de trabajo. y esto me dejá muy triste y sin perspectivas de futuro.

Creo que tenga te comentado, mi piso en Brasil vá a subasta, no he conseguido pagar la hipoteca. Eso es muy triste y sinto una dolor enorme al pecho por perdelo.  Allí si que cometí un error, cuando gané un dinero de mi padre, luego que morrió, lo metí en la reforma, pues como trabajaba y ganaba bien, imaginaba que me iba a quedar por ahí – aun no existía la idea de vir para España, y por eso creía que lo pagaría siempre en dia. No teníamos a crise y todo iba bien. pero todo ha cambiado y ahora mi decision se mostró uno gran error. Ya lo sé, de los errores se aprende, pero es que con dinero no creo que yo pueda errar y lo hice.

***

Ahora ya estoy en otro día, empecé a te escribir en miercoles y hoy ya es sabado, son las 00:02h de sabado. No consigo dormir. Como siempre la cabeza no para de pensar y como cansé de estar a cama, cogí el ordenador y vin te escribir. Hoy estube pensando, mientras cocinaba y limpiava la casa, y oía el canal de youtube de la Monja Coen, no recuerdo lo que decía, pero recuerdo muy bien lo que pensé en su momento. Ella hablaba algo de destino, que la vida nos direcciona a determinadas situaciones, la realidad es que no lo sé, estoy en una fase en la que no creo mucho en Dios, destino y todo más, pero pensando en las cosas que ella comentaba al canal, pensé que el destino es el responsable por estar trabajando donde estoy, pues la rotina que soy obrigada a seguir es lo que hace que la depresión no me sea peor, por más que ya me parezca muy fuerte, ella podería estar mucho peor. Imagina si no tuviese que levantarme todos los días para trabajar, acabaría a cama días seguidos e isolada del mundo, lo que sería peor para la depresión, fijo que si. Despues de oír la Monja Coen, oí una brasileña pirra que vive na Californía, no trabaja, no hace nada más que cuidar de casa y de sus hijos, resulta que bebe, fuma y posta al instagrans, todo en demasia, pues, no tiene rotina, no tiene necesidades, lo tiene facil y lo facil, en la gran mayoria de las veces no es valorado.

Comprende lo que quiero decír? Si, eso mismo, hay momentos que penso que mi trabajo es muy pesado, y lo es. No es nada facil trabajar a calle, picando puerta. Hay días que lo que más deseo es estar en una oficina y que un cliente me busque, pero no hay esta opción, todos los días tengo números por hacer, de puertas, oportunidades y ofertas y hay zonas que no ayudan en nada. Por eso protesto, pero, en realidad, todo lo que aprendi, la profesional que me torno a cada día. Hoy soy mucho mejor de lo que fue un día, si ya era reconocida cuando estaba en Brasil, con lo que sé y hago ahora, lo haré cualquer otro trabajo o venta mucho mejor de lo que hacia. Estoy lejos de cobrar lo que merezco, de lo que valgo, pero estoy al camino. Y, ojalá, un día pueda conseguir un trabajo en ventas mas reconocido, pues, lo servicio que vendo y este modelo de venta a puerta fría no lo son valorados para nada.

***

Cambiando de asunto: estoy lendo un libro increíble. Una lástima que tu no tenga tiempo y tanto gusto para la lectura. El libro cuenta la história de un periodista polaco, que en 1931 embarca rumbo a Africa para percorrer todo el continente negro en bicicleta. Hoy, festivo, la unica cosa que hice fue cocinar, comer, ordenar rapidamente la casa y leer. Este libro no es pequenito, tiene 558 paginas y no veo el momento de saber toda la história. Hay un momento que ele escribe una cosa que me hice pensar:

“Hay motivos sobrados para envidiar a los nómades del Sáhara, porque no solamente duermen en tiendas de campaña, sino que lo hacen acompañados de su família y de todos sus bienes, de modo que siempre están en casa, aunque no tengan ninguna. Donde esté la estepa, allí el beduino hunde en la arena su arado de madera, allí siembra y allí apacienta a sus ovejas y a sus camellos en invierno. Y cuando el sol empieza a abrasar, recoge la cosecha, trilla la cebada y huye a donde no haga tanto calor y pueda encontrar pasto para sus animales. De camino, comprará pendientes y ajorcas de cobre para su mujer, una pieza de percal y gorros para los críos, y venderá un par de ovejas para obtener el dinero con que comprar aceite y outras exquisiteces. Siempre libre, siempre contento, siempre feliz. Y antes de que la luna se esconda detrás de las montañas o se sumerja en la arena, se hinca de rodillas para hacer sus oraciones y darle las gracias a Alá por todo lo que posee, y eso que posee muy poco, mucho menos que un mendigo europeo.”

Eso me recuerda el minimalismo que tanto me atrae. Mi unico problema hoy, en verdad, es el dinero, como en realidad, siempre fue. Siempre vivi preocupada con la falta de dinero, hoy cobro mucho menos do que cobrava en Brasil, pero soy más tranquila en muchos puntos que no lo era en Brasil. Tengo que ampliar esa tranquilidad, reducir mis gastos (con comida y libros? eso es lo único que compro), pues, la libertad y la simplicidad son mucho más importantes y satisfactórias de que todo el lujo que uno pueda tener.

Que te parece todo eso?

Muchos besos para ti, te echo de menos, nuestras charlas con café y pitillo, nuestras cervezas y merienda en tu piso. Tuvimos muchos momentos buenos juntas, ahora un oceano nos separa fisicamente, pero jamás estarás distante de mis pensamientos. Te quiero mucho amiga, eres la mejor siempre.

Muchos besos y suerte en la vida. Mande noticias.

Eu

Anúncios
Publicado em Cartas

CARTA #5

d9912d7e85838bbe61bf7e4d139da910

Hey Vivi´s,

Como estao os preparativos para a mudança? Imagino o quão nervosa você deve estar. faltam poucos dias, menos de 10. Lembro quando eu cheguei nesse momento da minha mudança, eu fumava um cigarro atrás do outro, tudo pela ansiedade.

Esse momento é muito bom, aproveite para se despedir de lugares e pessoas que você ficará sem ver por um bom tempo. Sei que sua mudança não é como a minha, sem data de retorno, mas mesmo assim, quando chegar em terras novas, você vai se recordar destes lugares e pessoas e desejar ter-los por perto, e não poderá.

Imagino que com você aconteça o mesmo que se passou comigo, no início é tudo lindo, muita coisa nova por conhecer e coisas por fazer. Depois entra a monotonia e a tristeza normalmente acompanha este momento. Essa pra mim, foi uma das piores fases que tive aqui. A pior de todas foi o bar, um negócio errado que fiz, mas o fiz com toda a boa vontade de que desse certo e nos levasse para um ponto melhor. Infelizmente não foi assim, uma pena mas um grande aprendizado. Você me conhece bem e sabe que meu aprendizado tocou justo no ponto fraco, no bolso. Sei que você não acredita no karma, mas seja o nome que dermos, este é o meu calcanhar de aquiles. Podemos levar por vários caminhos, desde o fato de não saber me relacionar com o dinheiro, a crer que ele é maldito e tantas outras crenças que os coaches financeiros me trucidariam ao me escutar ou ler. Agora tenho o foco no minimalismo, acho que um dos motivos que ele me atrai é por ter a oportunidade de recomeçar, do zero, com pouco e poder fazer diferente do que sempre fiz. Lembre-se que sou ariana, cabeçuda e que ainda engatinho em muitos conhecimentos da vida. Pra mim, conhecer, saber usar e entender o poder do dinheiro na minha vida é onde mais tenho que trabalhar e madurar. Acho que tenho que começar de uma forma muito simples, como não dar tamanha importância para ele. Enfim… não vim aqui para falar de dinheiro, nem de mim.

Vivi´s, te desejo muita sorte e libertação com esta viagem. abra seus olhos e coração para o novo, tenha paciência, algumas vezes os minutos e horas tardam séculos em passar. Busque o seu tempo para fazer coisas que aí no Rio você não podia, ou não tinha tempo. Aproveite para ler e se aprofundar no que te dê vontade. E, seja muito feliz. Falando em ser feliz, aproveite seu tempo para visitar o blog, todos os dias postarei algo, vou começar o reto dos 100 dias. Tenho certeza que muita coisa vai mudar nesse tempo em minha vida. Ahhh, sabe o que lembrei? A carta ao Universo, nela eu determinei um tempo para o Universo pudesse me dar umas soluções, fiz isso pois algumas coisas em minha vida tem data limite para caducar, explodir ou simplesmente sumir com um pequeno rastro de tristeza (que se acontecer, farei o possível para que passe bem rápido). Então, por isso dei uma data, que casualmente, hoje, percebique coincide com o final do reto de 100 dias. Não foi nada proposital. O reto decidi fazer por causa do livro que estou lendo, e ao pensar em quando termina, me dei conta que os dois, reto e carta tem a mesma data de fim. A ver o que me passa nesse período. Acompanha comigo, pelo blog.

Te deixo, vou trabalhar, meu momento de relax já acabou.

Nos falamos em breve. Muitos beijos, te quero muito!!!!

 

Publicado em Cartas

Cartas #4

envelope floridoQuerida Rose,

A vida é incrível! Estou te escrevendo para te contar tudo que me passou em muito pouco tempo.

Pela manhã acordei numa ressaca violenta, não de beber, estou com a saúde debilitada e não posso me permitir, neste momento, estar num bar relaxando com um chopp. Então, já sei que vai me perguntar; estas louca, ressaca de quê? De cigarro, café descafeinado e horas lendo e estudando para uma oportunidade, uma possível mudança de Cidade. Dormi muito pouco pensando em tudo isso… resulta que acordei acreditando que minha única tarefa do dia era decidir se me mudava ou não de Cidade e o que tive foi uma avalanche de situações. Não sei se, alguma vez, já  passou o mesmo com você, mas os meus anos não costumam ser muito monótonos, nos últimos dez anos tive tantas mudanças e situações  surpresas, que poderia  jurar que tudo se passou em uma vida, mas comigo não, foram em apenas uma década.

Te conto, depois de acordar assim cansada, recebi uma ligação dizendo que deveria entregar o apartamento, que o proprietário não queria mais alugar, que ia viver aqui e que eu teria um mês para me mudar. Juro, na hora pensei, será que o universo conspira para que eu vá para outra cidade? Enfim, as nove horas estava na empresa, mesmo de férias, para conversar com Miguel, meu chefe, sobre a mudança de Cidade e as atividades da nova função.  Peguei minha lista de perguntas e, como uma repórter, metralhei o chefe. Resulta que ao final não curti muito a proposta, ela não seria rentável para mim, e Miguel assumiu que compreendia a minha visão, mas que ele estava limitado pela diretoria e não poderia me dar uma oferta diferente. Os dois entendemos que sou a melhor pessoa para este desafio, mas se não é bom para as duas partes, não compensa, porque ao longo do tempo vou me desanimar com o desafio. Saí do escritório do Miguel e fui direto a uma imobiliária grande que fica cerca de casa, olhei todos os apartamentos que tinham para alugar, pelas fotos e características que me informavam, nenhum me inspirava muito. Escolhi dois que, por acaso, eles tinham as chaves ali e fui ver. Um era um desastre, pensei na descrição e me lembrei que as palavras podem enganar muito. Rapidamente saí daquele apartamento, tinha uma boa localização e teria uma vista interessante, se fosse de frente e não de fundos, o que o tornava escuro e quente. O apartamento em si era bom, tinha uma boa planta e cômodos bem amplos, mas a falta de luz aliada ao chão escuro, teto rebaixado e com rococós em gesso e o calor infernal que fazia ali, me colocaram pra fora tão logo entrei. Fui para o segundo apartamento, estava numa rua de muito movimento, transito e barulho, porém tinha o metrô ao lado, o que me ajudaria muito no dia a dia, quase não usaria o carro ou a moto e poderia todos os dias ir de metrô para o trabalho, usando este tempo para ler. Originalmente o apartamento tinha três quartos pelo que o porteiro me contou, a proprietária o transformou em dois quartos, para ampliar a sala. A proprietária tinha feito uma reforma há muito pouco tempo, mas acabou que não pode viver ali, recebeu uma proposta para um mestrado no Canadá e para lá se foi, deixando o apartamento para alugar. O apartamento estava exatamente como gosto, amplo, bem iluminado e para não receber o bombardeio diário de tanto ruído exterior, a proprietária tinha colocado umas janelas especiais. A sala e a cozinha estavam conjugadas em um mesmo ambiente, tentei imaginar a proprietária, ele deve ser bem social, a reforma do apartamento prioriza claramente a area social, e a cozinha americana me indica que ela devia receber muitos amigos ou família por aqui. Sinto curioridade em conhecer esta mulher e sua vida, mas aqui não há nenhum registro, nada que me dê mais detalhes, meu instinto jornalista sempre assim, atento. A zona intima não era muito ampla, mas com um quarto que poderia fazer de escritório e a suite que para mim, era mais que suficiente. A verdade é que este apartamento me surpreendeu, e na descrição da imobiliária era um dos menos favorecidos pela descrição, só tive a curiosidade em conhecer por conta das poucas fotos que me mostraram. Voltei para a administradora e preenchí a ficha e fiz a oferta para o segundo apartamento. Logo teria resposta, em no máximo dois dias, foi o que me disseram.

Voltando para casa, vi na fachada de um edifício, na mesma rua que moro, uma placa de alugo e fui falar com o porteiro, ele tinha a chave e o telefone da imobiliária mas não sabia o valor. Fui olhar o apartamento, LINDO, exatamente isso, LINDO. A sala ampla e muito clara, exatamente como gosto, com vista para a Lagoa. O chão de madeira, ou imitação, não sei, mas com uma cor agradável e um toque aos pés muito confortável – sim, sempre tenho que por os pés no chão para ver a sensação do toque, não perdi essa mania. E, lógico, que no primeiro apartamento que vi hoje, nem me atrevi a tirar meus All Star. – Segui pelo corredor e vejo um escritório montado com espaço suficiente para todos os meus livros e revistas, uma mesa para o computador com a mesma vista da sala, para  a Lagoa. Continuei, um banheiro amplo e simples e na sequência a porta da suíte, que enorme! Oh, e que vistas! A janela se abria total para uma parede verde, a natureza invadia meu campo visual, e como este apartamento é alto, ainda vejo o céu, que hoje está espetacularmente azul. O resto da suíte por mais interessante que fosse, não superava essa vista, fiquei ali, parada na sacada, me imaginando sentada numa poltrona lendo e ouvindo uma música. E quem sabe um dia acompanhada, uff, este é assunto para uma próxima carta, hoje tenho que focar nesse dia, em que tudo me aconteceu tão rapidamente, que não consigo nem acreditar que tudo foi em apenas um dia. Enfim, ali de dentro do apartamento liguei para a administradora para saber o preço do aluguel, imaginei que fosse caríssimo, afinal… Lagoa, verde, obra nova e de bom gosto e qualidade e mais, já com alguns poucos móveis. Me atendeu Rubens, se apresentou como o advogado do proprietário e me explicou que o imóvel estava há muito tempo vazio, pois ao ter apenas 2 quartos e um já transformado para escritório eles tinham muita dificuldade de locação, pois as pessoas da região têm família e precisam de outra disposição no imóvel, que por isso, eles tinham baixado o valor do imóvel e estavam pedindo quatro mil Reais. Rose, te confesso que esperava mais, não que quatro mil Reais seja um valor barato, mas para o apartamento que vi e a sensação de paz e acolhimento, sim que era um preço mais que tentador. Lhe agradeci as informações e disse que infelizmente para mim não seria possível, que moro na rua, mas que este valor não se encaixava no meu orçamento. Rubens, mais que advogado se mostrou um homem paciente e bom vendedor, me fez umas tantas perguntas que o levou a conhecer algo da minha situação atual e perguntou se eu poderia passar em seu escritório nesse momento, pois ele estaria viajando no dia seguinte, e ele acreditava que  poderia conseguir algum apartamento para mim, além desse tinha outros. Como era a duas quadras dali, fui.

O escritório de Rubens está na Praça, no edifício espelhado, sim o mais luxuoso. Seu escritório parece ter sido decorado pelo mesmo arquiteto do apartamento, claro e amplo. O que muda são as vistas, como também está em andar alto, tem a vista da Praia. Estávamos conversando e observava aquele homem – quê homem! alto, elegante e cheiroso – emoldurado pela imagem da praia com o céu azul de hoje. – Suspirei e foquei atenção na conversa, ele me fez outras perguntas, se não tinha uma renda complementar para aumentar a possibilidade de ficar com aquele apartamento, quanto pagava de aluguel no meu, porque deixava o apartamento, no que trabalhava, faixa salarial. Depois de 30 minutos e um café servido por Rubens, ele sabia mais coisas a meu respeito que muitos amigos. Foi então que me explicou, depois da minha ligação ele falou com o proprietário e negociou um valor mínimo de aluguel, afinal um imóvel parado gera custos, enquanto que alugado em boas mãos, mesmo que a um preço menor, gera lucro e me fez uma proposta. O que ele não sabe é que a proposta era exatamente igual a que fiz por um outro apartamento hoje, numa região que não me agradava tanto e para um apartamento que gostei, mas que não amei. Tenho que confessar que também me agradava muito mais ter que encontrar ou conversar todos os meses com Rubens sobre questões do imóvel, do que com as outras opções. Tudo para ter a oportunidade de olhar este homem Oh, Dios! Que tonta sou!

Um tanto surpresa da proposta e sem acreditar na tamanha sorte que acabava de ter, aceitei a oferta, preenchi a ficha cadastral e lhe enviei as cópias de documentos que necessitava, sempre tenho uma atualizada no celular para casos de emergência. Rubens me explicou que era parte do processo aprovar a ficha com uma empresa terceirizada, que neste horário não acreditava ter resposta ao mesmo dia, mas que ia tentar, inclusive já tinha enviado os documentos e a ficha, por e-mail. Nos despedimos e fui para casa. Calma, o dia ainda não acabou, embora já fossem 18 horas, ainda tinha coisas por acontecer, que nem eu imaginava. Na correria da reunião e de ver apartamentos, comi uma salada ali no Shopping que tem junto a Praia, lógico que agora a fome me apertava, mas tampouco queria jantar e por isso peguei uma fruta e um chá, sentei para te escrever e pouco depois toca o telefone, era a imobiliária do apartamento que vivo, dizendo que o proprietário tinha mudado de idéia e que ia viver em outro apartamento que tem aqui perto. Expliquei que lamentavelmente eu já tinha para onde ir, e que em um mês entregaria o apartamento, até porque não queria que em algum momento o proprietário voltasse a fazer novamente comigo o que fez desta vez, que eu tinha passado um dia terrível, nervosa e buscando um novo lugar para morar, que tinha olhado muitos apartamentos e por sorte tinha encontrado um, para me abrigar por um tempo, até encontrar algo melhor. Que na urgência que eles me colocaram tive que aceitar uma situação não tão agradável. Ele se lamentou profundamente e me garantiu que o proprietário não faria isso novamente, porém não me convenceu. Relembrei ao Manuel, dono da imobiliária, que nos 6 anos que moro aqui, que o proprietário já pediu aumentos abusivos 2 vezes. E, caso não se recordasse, que logo no inicio do primeiro contrato, que o proprietário estava pensando em pedir o apartamento para morar, pois não se adaptava ao local que estava morando. Ou seja, um sujeito um tanto confuso, que eu já tinha passado meus momentos ali, e que agora ia buscar algo mas tranquilo para mim. Desliguei e voltei a ler. Passado mais um tempo, não sei quanto, toca meu telefone e agora era Rubens, me dizendo que tinha a aprovação da ficha, que poderíamos firmar contrato em 15 dias, pois ele estava de viagem e só voltaria no meio do mês. Concordei com a data e agradeci a rapidez na resposta, que me tirava das costas a preocupação com o apartamento e me deixaria livre para organizar a mudança.

Rose, agora eu acho que posso dizer que meu dia terminou, foi uma loucura. Amanheci acreditando que ia mudar de apartamento e de cidade, no meio do dia, não tinha onde morar e, termino o dia, com a possibilidade de manter tudo igual na minha vida, ou mudar algo e decido mudar de apartamento. Ah, não te contei, o apartamento novo tem uma garagem dupla, o que vai me permitir ter onde colocar o carro e a moto, muito melhor do que estou aqui, que não tenho lugar fixo para a moto e algumas noites fica na rua. Nunca me aconteceu nada, mas pago um seguro bem mais caro por isso. Acredito que possa melhorar o seguro com esta situação.

Sabe, a vida é incrível, despertamos e do nada, tudo pode mudar. Rose, temos que estar abertos para o novo, olhos e mente aberta sempre. Muitos dias são monótonos, mas muitos outros te fazem dar um giro na vida, você pode não perceber ao momento, mas ao longo do tempo vai notar quanto mudou. Tem uma garota que trabalha no jornal, ela é budista, e sempre diz; “nada é permanente, nem o bom, bem o mal, aproveite cada minuto do seu dia e não sofra nos momentos ruins, apenas viva, eles também passam.”

Fica aqui meu beijo, espero que tenha gostado de passar um dia comigo. Nestas férias não vou poder te visitar, mas tenho outros dias programados para daqui há 3 meses e certamente ali vou te ver, já vou inclusive buscar passagem. Tranquila que antes vou te avisar, sei que você não gosta de surpresas e não farei, vamos organizar minha visita e se for incomodar fico num hotel, tranquila.

Um grande beijo e com muitas saudades. Você faz muita falta por aqui.

Anna.

Publicado em Cartas

Carta #3

Hola R,

Muy buenas, es un placer te escribir y charlar contigo sobre las ventas, ya lo sabes muy bien que me gustan aprender contigo.

No creo que tenga te comentado, pero soy comercial desde 2008, antes me imaginava haciendo de todo, menos vendendo. Hasta 2008, he trabajado en el sector de la comunicación, en despachos de diseño, siempre responsable por la parte final, que transformaba el creado en realidad. Yo compraba y produzia lo que fuese necesario. Trabajé en grandes despachos, fue responsable por equipos e proyectos de los dos principales despachos de branding e diseño de mi País, pero jamás me imaginaba en ventas.

Fue cuando en 2008 un provedor, me llamó diciendo que necesitaba de un comercial de calidad para atención a los clientes de la zona donde vivia. Le indiqué unos cuantos y nada, ninguno le interesó. Fue cuando me lo hice la oferta de trabajar con él. Seria un gran desafio, pues nunca había vendido. Con muchísimo miedo, lo acepté. Nuestros productos y servicios eran estacionales (sazonales), o sea, como empecé a finales del ano poco podría vender y solo hice una venta. En 2009 tenía todo el año para trabajar, y hacer la diferencia, pero, sin orientación, bajo mis miedos, sin saber actuar con los clientes de grandes cuentas, perdi la mayoría de las oportunidades de hacer una oferta. En este momento si fuese mirar mi funnel de ventas, oh, que horrible estaba. No tenia cantidad suficiente de contactos, ni leads, ni ofertas y por resultado, pocas ventas. Una vergüenza de resultado, incluso dudé si valia para esto, mientras veía que mis ahorros se iban y necesitaba trabajar bien.

En 2010, más una oportunidad, pero en este año mi vida cambió muchísimo, mi hijo llegó y junto la depresión pós adopción. Yo tampoco sabía que existía, pero sí, existe y és dura.  Con todo eso, los resultados de 2010, fueron algo mejores que los de 2009, pero lejos del deseado por la empresa y necesitado por mi.

En 2011, la cosa fue peor. Me encontré con un problema en los ojos y tuve que hacer 3 cirugías, fue un período muy duro, con las ventas y la moral en baja. La empresa determinó que no podría más esperar por mi, si o si, yo tenía que aportar resultados. En este momento, mismo con un tapón en uno de los ojos, fue trabajar y saqué ventas, mi resultado fue significativo y en 2011 gané premios por las conquistas en números y por la calidad de los proyectos. De entonces hasta 2016, cuando me cambié para España, mis resultados fueron crescentes, sin estudios sobre ventas ni conocimiento de las técnicas hice mi trabajo con grandes conquistas. Resulta que ahora, 2018, con esta modalidad de venta F2F (puerta fría) que hago, a mayores de aprender mucho y perceber que instintivamente ya hacia parte de las técnicas, me he deparado con los controles y la presión sob los comerciales.

Tengo que confesar, tanto tiempo en ventas y nunca tenia escuchado, o analisado, mi funnel de ventas. Mensurava mis conquistas solamente por valor de ventas anuales y por nuevos clientes conquistados. Jamás me imaginé haciendo ventas a puerta fría, con ganas y con calidad. Hoy, me veo firmando contratos negociados al largo de días y otros a la caída. Con las técnicas, la actitud correcta y determinación aliada a mucho trabajo estoy logrando conquistas que no me imaginaban posibles. Aun tengo mucho que aprender, como: día a día conocer mejor los productos que tenemos y manejar mejor la tabla de precios para que pueda hacer más ventas con márgenes positivas, que me permitan cobrar mejores comisiones. Todo esto és posible y depende únicamente de mi dedicación. Así lo veo.

embudo-mas-ventas-4-1024x609.pngAhora, te comento, tu que tienes tanta experiência en este sector, quizá pueda me ayudar a comprender. Lo que me parece un tanto raro en esta modalidad de ventas és por que hay tanta presión y castigos? Si, por experiencia puedo decir que algo de presión es importante, cuando en 2011 mi jefe determinó que sin resultados no podría me mantener a empresa, hice algún tipo de cambio y empecé a vender y a apresentar resultados. Si, la presión es necesaria. Pero tanta? Y los “castigos”? No los veo, de mi punto de vista, la mayor penalización que pueda tener un comercial, por no trabajar adecuadamente y no alcanzar los resultados, es en su proprio sueldo, pues cobra poco. O sea, no comprendo porque nos tratan como a niños con castigos, yo creo que eso puede generar insatisfacción en las personas y afectar negativamente los resultados. A mi, directamente no me afecta, pues, tengo claro que cuanto más y mejor hago mi trabajo, más puedo cobrar y trabajo por eso. Pero noto compañeros muy enfadados con la presión y los castigos. Importante decir que he visto este modelo de trabajo y control en diversas empresas que venden por la puerta fría.

Pues, así es la vida de un vendedor, tu la conoces muy bien. Presión y objetivos. Hoy creo que soy incapaz de me quedar en una oficina sin la emoción de nuestros días por la calle. Y creo que tenemos una de las pocas profesiones donde se puede hacer tu propio sueldo y que jamás podrá ser sustituida por un robot. Soy grata aquel provedor que un día me invitó a cambiar mi vida y me puso la oportunidad y la dificultad, con ellas aprendi y me transformé.

planear las metas en ventas.jpg

Me gustaría conocer un poco de tu vida como comercial. Cuando me la pueda comentar algo…

Un fuerte abrazo.

Eu, R.

 

Publicado em Cartas

Cartas #2

OI Pai, tudo bem?

Sei que onde você está não é possível ler esta carta, mas acho que você pode sentir-la, não? Eu acredito que sim.

Esta semana conversei com J, meu chefe, sobre a noite que você se foi, mas antes foi me visitar em casa. Lembro bem, eram 4 da manhã, senti sua mão na minha barriga, o peso do seu corpo sentando na cama ao meu lado, coisa que você nunca tinha feito em vida. E ali você conversou comigo e se despediu. Nesse mesmo dia, as 9 horas da manhã, recebi a chamada do hospital, você tinha partido.

Na noite anterior eu te visitei e conversei com você, sobre nossa via passada e futura. Tenho certeza que você ouviu tudo, talvez não racionalmente, mas sim com a alma. E é exatamente isso que busco agora, que me escute com a alma. Depois que você se foi, eu cometi uma série de erros, que agora me cobram uma solução e eu, humanamente não sei o que fazer. Sabe, tenho raiva porque você e minha mãe, viveram suas brigas e não me ensinaram coisas básicas de uma vida adulta, por isso errei. Eu deveria ter aprendido só? Pode ser. Poderia ter aprendido antes, mas o fato é que só consegui aprender agora, já velha. Ao menos imagino que aprendi, depois de passar por isso. Aprendemos mais com os errores, eu sei. Mas queria ter aprendido com o seu exemplo.

Onde esteja, te peço. Me ajuda a pensar numa alternativa. Me ajuda a encontrar um caminho melhor. Se você estivesse junto, parte deste problema eu teria passado, acabo de me dar conta, era minha forma de dizer, eu te amo, estou aqui, sou sua filha, presta atenção. Que infantil de minha parte.

Sabe, esta carta funciona, te sinto aqui, neste quarto. Escuto você falando comigo, uma mescla de como era com a forma que eu queria que fosse. Parece raro, mas sinto sua presença e sei que é você. A presença já não é tão forte como foi naquela noite, é sutil, e provavelmente por isso não te senti muitas outras vezes.Desde que me mudei, ando nessa correria que muitas vezes não sei nem se estou respirando, de tão automáticamente que faço as tarefas do meu dia. Isso é péssimo, preciso de férias, mas não posso agora, preciso trabalhar e resolver isso tudo.

Talvez seja mais fácil assumir que errei e perder, eu sei. Você me diz isso bem contrariado, você nunca gostou de perder. Mas também perdeu, lembra com a casa de Minas? Esta perda me trás benefícios, mas minha raiz 8, me lembra que errei e errei feio. Maldita numerologia! Por que nossa família não é número 3 ou 5? Hum, pensando bem, número 5, o 3 poderia trazer mais fofoca do que já existe hoje. Maldita numerologia, por que fui gostar disso e escutar as suas previsões? Sim, sei, pra você sou uma tonta. Mas esta tonta enfrentou muitas coisas e venceu quase todas, salvo uns pequenos erros que para os 8 é como se o mundo acabasse. Mas eu já falhei, e já me recuperei, lembra? Sou como a fênix, resurjo, com mais força e beleza, a cada dia, de minhas próprias cinzas.

Te deixo, por hoje e agora. Saiba que te tenho sempre em mente. Queria teus conselhos, por isso te escrevi, te chamei. Mas você nunca foi de falar muito comigo, tal como E., me sinto ignorada e por isso…

Um beijo.

Eu

Publicado em Cartas

Cartas #1

mulher e o loboOi Glória,

Minha querida amiga, que saudade. Como sinto falta de você por perto de mim, para sentarmos, conversarmos e fumarmos um cigarro. Passávamos algumas tardes juntas, o que me ajudava muito, a refrescar a cabeça.

E que aconteceu com nossas vidas? Desde de 2012 as coisas saíram do trilho e não conseguimos mais segurar o trem. Esta é a sensação que tenho. Você foi quem primeiro se mudou de Laranjeiras para a Tijuca e, logo depois eu, de Laranjeiras para Jacarepaguá. A vida parecia mais simples, parecia que se estruturava, mas logo voltou a ficar complicada e você se mudou primeiro para Campos e depois eu, que saí do Brasil e vim para o outro lado do Oceano, viver numa cidade menor que o bairro que eu morava.

Eu sempre acreditei que o futuro era tranquilo, que uma vez que eu tinha alcançado minha estabilidade profissional que nada me jogaria para baixo. Acreditava que a mudança de País, na situação que eu vinha, seria de fácil e rápida adaptação. Que pronto conseguiria trabalho de qualidade e estaria integrada a sociedade. Nada, me enganei. Ouvi muito youtuber falando sobre morar na Espanha, Portugal e França e imaginei que minha vida seria como a deles. Tá, eu sei, você sempre me falou para não acreditar muito nas pessoas, que contam o que lhe interessam e que floreiam muito. Pode ser que sim, ou não, não conheço estas pessoas para dizer, posso dizer por mim. Cometi muitos erros, demasiados na minha vida e agora passam fatura.

Sim, estou trabalhando, é difícil, não é fácil, e pagam muito pouco. Trabalho muitas horas e não consigo dar atenção para o meu filho como eu gostaria. Ele fica em casa jogado com o outro, que você sabe bem como é… Diz que não tem opção, não tem o que fazer. O pouco que posso converso com meu filho, tento fazer ele entender a situação, sentado no sofá, jogando a play e no celular ele não vai chegar a lugar algum, precisa se esforçar muito e desde já, de pequeno. Já te escuto dizendo que ele de pequeno não tem nada. Verdade. De altura é grande, mas de idade é uma criança, não se esqueça, são só 12 anos.

Hoje eu chorei muito, muito e muito. Perdi o ar, me deu ataque de pânico. Eu cometi erros e você sabe como sou, não me permito falhar. E o falho foi grande, investi de forma errada e não previ as situações do futuro. Quebrei. Isso, para mim significa que falhei comigo e com meu filho. O outro? Não se preocupa, não pergunta como está, nunca se envolveu com a situação, mas quando pôde levantou o dedo para apontar que a culpa era minha. Eu me pergunto, porque ainda estou com ele. Esse ano completamos 19 anos, por que suporto tanta ausência? Por que aceito tanta falta de respeito? O que ele nunca poderá dizer é que fui fraca, não trabalhei, não acreditei, não investi. Fiz minha parte como uma guerreira, como uma leoa. Suportei e cresci, e fiz crecer, com determinação, e ele sabe que aqui onde estamos, sobrevive por mim. Já sofri descriminação pela idade, já sofri preconceito por ser brasileira, já fizeram bulling pelo meu sotaque e acento de estrangeira, mas eu sigo, firme, forte e sei que pode demorar um pouco mais, porém vou sobreviver e vou reconquistar o que perdi, meu espaço, meu reconhecimento, meu dinheiro.

Enfim, amiga querida, esta foi uma carta desabafo, resultado de tanto tempo que estamos afastadas. As notícias não são boas, sei das dificuldades que você passa por ai, tudo o que pode me contar na nossa última ligação telefônica. Espero que a saúde de todos esteja bem, principalmente sua mãe, que sei que sente a falta do apartamento com o cantinho dela. Desejo tudo de bom pra vocês e espero que pronto possamos nos falar e ter a vida mais equilibrada.

Muitas saudades.

Beijos pra você.

Eu

 

P.S.: Para você que gosta de fotos e desenhos escolhi esta. Representa o trabalho da Dimitra Milan, atualmente ela tem 18 anos e pinta desde os 4 anos, mas só recentemente é que começou a ser conhecida. Daí vem uma frase dela e de seus pais, que também são pintores.

“Na vida tudo deve ser conquistado com muita batalha, suor e dedicação, nada vem por acaso e nada é ganho do nada”.