Minimalismo

Beda #16 + Reto de los 100 días #16

pedras equilibrio

Não sei se já contei aqui, antes de vir pra Espanha, quando ainda estava no Brasil eu já me interessava pelo minimalismo. Eu vinculava o minimalismo a organização, ou a facilidade de manter as coisas organizadas e controladas. Me preocupava o comprar, comprar e comprar. Buscava a compra consciente, mesmo que muitas vezes não fazia.

Nunca fui de comprar roupas, comprava somente quando precisava, porém sempre comprava livros, mais do que era capaz de ler. Raramente comprava objetos de decoração, somente quando fiz a obra no apartamento e ai coloquei o que precisava, mas sempre tinha os armários da cozinha e a geladeira cheios, com mais comida do que comeríamos, acho que em alguma encarnação passei fome. Nunca comprava maquiagem, mas de 2 em 2 anos trocava de carro. Se converso sobre isso com um psicólogo, tenho claro que em poucos minutos ele traçaria meu perfil psicológico, jajaja.

Aqui na Espanha, sempre me preocupei em montar o apartamento e construir uma vida que fosse fácil de administrar. Poucos móveis, que infelizmente não foram os que eu queria (Ikea), porque a loja fica em La Coruña e naquele momento não podíamos ir ali, com isso, acabamos comprando aqui numa loja, que era pra ser baratinha, mas com uma qualidade razoável… Por fim, resulta que essa foi a melhor opção, pois nenhum móvel seria resistente aos caninos dentes do Rufus filhote e, melhor ter este sofá feio comido pelo Rufonildo, do que o que eu tanto queria da Ikea.

Hoje, com as mil mudanças diárias que passo com a adaptação em outro País, vi que o minimalismo também mudou para mim. Sinto falta de referências pessoais, sinto falta de memórias, sinto falta de amigos. Por isso defini um cômodo da casa, o quarto que faço de escritório e quarto de visita, para ter mais coisas. Ali tenho quadros na parede, mais livros que a estante pode permitir e algumas fotos expostas. Não há caos, porque o caos me deixa louca, má há mais informações acumuladas que em todo o resto do apartamento e, quando estou assim, mais saudosa, sento ali na poltrona e olho a vista. Respiro o ar deste quarto e me sinto em casa, uma casa qualquer, que seja a minha casa confortável e acolhedora. Outras noites preciso me refugiar e durmo ali, para recarregar energias.

O apartamento que vivo não é bonito, é velho e feio. Não está limpo, normalmente quem limpa são os homens da casa e fazem daquele jeito, que normalmente me estressa. E foi assim que descobri, o minimalismo, muito mais do que comprar ou ter menos é buscar o equilibrio. Compreender que ponto do menos é mais para você, e saber que esse ponto pode variar conforme a situação de vida que você tenha no momento. Por isso, relaxe, entenda seu momento, saiba quem é você e acima de qualquer rótulo, se valorize e se respeite.

E pra você, como surgiu o minimalismo? Como você encara o minimalismo?

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s