Publicado em Sem categoria

E agora, onde vamos morar?

Muito bem, chegamos em Santiago de Compostela e eu, que sou afeita a planejamentos, tinha idealizado tudo o que faria na primeira semana, segunda… e assim por diante.

Só não contava com o estado de degradação e sujeira que estava o apartamento que iríamos morar. Foi uma desilusão profunda e absoluta. Minha torre ruiu e eu não tinha mais chão, não sabia o que fazer e nem por onde começar.

Onde vamos morar? O que vamos fazer aqui?

Eu não parava de fazer estas perguntas, tínhamos planos de, já no dia seguinte, ter colchões na casa para dormir, mas o que encontramos derrubou nosso planejamento. Vendo o desespero que tomou conta de mim, a Soledad, prima do Enrique nos ofereceu a casa dela, para ficarmos até finalizar a obra e recebermos os móveis que ainda teríamos que procurar e comprar. Só não contávamos que esse tempo seria de 1 mês.

Depois do choque do primeiro dia, a Soledad me acalmou e voltamos a fazer planos. Tínhamos que seguir por duas frentes, uma de documentação, para nos regularizar na Espanha e para colocar o Luiz Felipe no colégio e outra que seria todo o planejamento de obra e compras para o apartamento.

Primeira semana, definimos tudo o que foi permitido naquele momento, DNI para o Enrique e colégio para o Luiz Felipe. O meu documento, o N.I.E, só poderia ser pedido depois que chegasse o documento do Enrique, então esperamos. Definido o colégio do Luiz Felipe, não tínhamos mais burocracias para fazer, naquele momento (a frente farei um post sobre o Colégio do Luiz Felipe, processo para conseguir e como funciona e educação por aqui), voltamos a pensar no apartamento.

O que vamos reformar? Quanto custa? Qual o tempo que gastam para fazer cada etapa das nossas propostas? Com os valores/orçamentos em mãos, optamos pelo básico do básico:

  • Fazer um banheiro novo, já que o atual estava interditado com vazamentos por todos os lados, e era feio e sujo.
  • Colocar janelas duplas em alguns cômodos, só nos primordiais, pois as janelas existentes não fechavam direito, não isolavam do frio e não nos protegiam.

Limpeza, pintura e todo o resto nós mesmos faríamos,  não tínhamos dinheiro para pagar a obra que o apartamento merecia, e precisávamos morar em algum lugar, então optamos por fazer o que podíamos e contratar uma equipe para fazer o mais hard da obra. Enquanto o Oscar e sua equipe trabalhavam quebrando o banheiro e levantando uma poeira infernal, fomos às compras. Os móveis foram comprados na loja mais barata da cidade e ficaram armazenados por 3 semanas. Não era minha propostas comprar esses móveis, afinal fiz arquitetura e gosto do que é bom e bonito, mas… não era o momento, eram muitos gastos e tinha que suprimir em algum lado para conseguirmos fazer parte do que nos sobrava no planejamento.Em paralelo eu rezava por um milagre, “o milagre da casa pronta:.

Digo pra vocês, fazer uma mudança de País é difícil!! São muitas surpresas, muitas dificuldades, a pessoa ou família, precisam estar muito firmes em seu propósito para segurar a barra. Com filhos a situação aperta um pouco mais, mas superamos. O segredo foi a família, a relação de amor e confiança que temos um no outro. Sempre que um tombava, cansado, triste e doente, tinha outros dois para apoiar e ajudar a passar a fase..

 

Quer ter uma idéia de como estava o apartamento??? Olhem isso:

Quando o morador saiu, o que sobrou foram paredes verdes, esburacadas, trincadas e infiltradas, o banheiro estava interditado com vazamento e muita sujeira!

O trabalho foi puxado, andávamos cerca de 5km ao dia e trabalhávamos puxado, era tanto trabalho que, mesmo parando para lanchinhos doces, conseguimos emagrecer 14 kilos (Enrique menos 8 e eu menos 6). E o Luiz Felipe? Esse não engorda nem emagrece, tudo o que come vai pra altura, já está quase-quase do meu tamanho.

2016-10-06 17.06.16.jpg

Esses momentos foram duros, muito trabalho, muito stress, mas muita alegria e brincadeiras em família. Não fizemos a casa toda, o dinheiro era pouco. Está longe de ser o apartamento bonito que tínhamos no Brasil mas, pouco a pouco vamos arrumar. O que importa? Fazem 3 meses que temos uma casa pra chamar de nossa.

Lembro a alegria de quando entregaram os móveis e montaram a minha cama, eu chorava como uma criança, era tanta alegria, no total foram 7 meses dormindo em camas alheias, que falta faz ter a sua cama, a sua casa…

Sabe qual foi nossa maior sorte? O outono quase não choveu, tivemos días bem quentes e conseguimos passar massa e pintar o apartamento em 15 dias. Só lembrando uma coisa, quem emassou? Quem pintou? Precisa de um pintor por ai??? Só fazer contato, pode deixar que não cobro caro… ;oP

 

Anúncios

Autor:

Uma pessoa em constante movimento e crescimento.

Um comentário em “E agora, onde vamos morar?

  1. Ro !!!

    Mudança é sempre bom é o que acho e sei que Deus tem planos maravilhoso pra VC e para sua família, não conheço pessoalmente seu filho …mais sempre que posso falo da história de vcs e de como Deus é maravilhoso para seu filho
    .. Estou aqui acompanhando vcs e torcendo pelo sucesso de todos
    Quando vir a Curitiba minha casa está aberta pra vcs ..

    Bjs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s